Aldo Fornazieri

Doutor em Ciência Política pela USP. Foi Diretor Acadêmico da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), onde é professor. Autor de 'Liderança e Poder'

Opinião

Pacheco e a terceira via

Não admitir a hipótese do rompimento da polarização, no mínimo, expressa uma leitura precipitada acerca das pesquisas e da conjuntura


Foto: Sergio Lima/AFP
Foto: Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

Ao filiar-se ao PSD, Rodrigo ­Pacheco entrou no jogo da sucessão presidencial. Entrou com os benfazejos da deusa Fortuna. Ele tem duas­ possibilidades, ambas boas, nas quais sairá ganhando. Se for candidato a presidente, mesmo que não se eleja, construirá seu nome nacionalmente e projetará liderança futura. Comenta-se que poderia vir a ser o vice de Lula. Ganharia também. Formaria uma chapa quase imbatível e aplanaria sua estrada para uma futura candidatura presidencial.

Deixemos a segunda hipótese de lado neste artigo e analisemos apenas a primeira. Assim, cabe fazer a seguinte pergunta: Rodrigo Pacheco pode viabilizar-se como um candidato competitivo da chamada terceira via e, eventualmente, passar para o segundo turno?

Para responder esta pergunta é preciso fazer outra: existe espaço para uma candidatura de centro-direita romper a polaridade Lula-Bolsonaro, deslocando o presidente para fora do segundo turno? A maioria dos políticos e analistas responde negativamente a esta indagação. No PT são poucos aqueles que emitem alertas no sentido de que esta possibilidade possa ocorrer.

O espaço político disponível é o da antipolarização, da conciliação e do discurso da união nacional

Não admitir a hipótese do rompimento da polarização, no mínimo, expressa uma leitura precipitada acerca das pesquisas e da conjuntura. As eleições não estão postas como um problema imediato de escolha para a maioria dos brasileiros. Além disso, os dois jogadores que estão efetivamente a jogar a disputa eleitoral são Lula e Bolsonaro. Os eleitores os percebem na condição de ex-presidente e de presidente como os candidatos efetivos.

Ciro Gomes faz o antijogo, coloca-se à margem da disputa. Então é natural que o grosso dos votos se distribua entre os dois contendores, que, somados, chegam a 70% das intenções de voto. Esta soma precisa ser relativizada, pois, quando outros candidatos entrarem no jogo efetivamente, ela vai cair.

O espaço eleitoral da terceira via está nos 30% restantes e na intenção de voto inflacionada de Lula e Bolsonaro. Ambos deverão cair para um patamar mais realista, quando a campanha começar. A porcentagem de queda de Bolsonaro deverá ser maior que a de Lula.

O problema da viabilidade de um candidato de centro-direita está no fato de que esse campo político deverá ter uma pulverização de candidatos que ­disputarão, inicialmente, cerca de um terço do eleitorado. Em sendo assim, o que determinará a viabilidade de um candidato desse campo serão dois fatores principais: a capacidade política de ocupação do espaço eleitoral disponível e o perfil mais adequado a esse espaço político. Claro, existirão outros fatores, como as alianças, o tempo de tevê etc.

O espaço político disponível é o da antipolarização, da conciliação e do discurso da união nacional. O espaço político de Bolsonaro e da extrema-direita é o da polarização, da radicalização, do anticomunismo, da defesa dos valores conservadores, do antipetismo e do antilulismo. Se Lula está praticamente garantido no segundo turno, não pode se negar a ser o anti-Bolsonaro, mas não deve ser apenas isto. Para não correr riscos, terá de assumir aspectos de um discurso de centro.

Diante desse cenário, tomem-se três candidatos do centro – Ciro Gomes, João Doria (provável) e Rodrigo Pacheco – para averiguar o perfil mais adequado para ocupar o espaço político disponível de centro-direita. Um simples olhar para os discursos e as posturas que esses candidatos apresentam parece não deixar dúvidas: é o perfil de Rodrigo Pacheco.

O presidente do Senado apresenta-se como alguém calmo, equilibrado, com retórica fluente, com discurso conciliador, de unidade e com método e atitudes de mediação e negociação. Esses atributos são os mais concernentes à ocupação do espaço político disponível, no qual uma parcela da sociedade indica exaustão com a polarização.

Ciro Gomes perdeu a condição de encarnar esse perfil. Com o atual discurso político, ele assume a polarização, principalmente contra Lula e o PT, adotando um perfil mais de direita, espaço ocupado por Bolsonaro. Se Ciro busca ser quase um anti-Lula, Doria busca ser um anti-Bolsonaro sem deixar de ser anti-Lula e anti-PT. Assim, também desbasta a condição de ser um candidato da conciliação e da união nacional.

Bolsonaro, com tantos passivos, só irá para o segundo turno se as oposições forem muito incompetentes. Para se viabilizar rumo ao segundo turno, não basta que Pacheco tenha um perfil adequado. Terá de dispor de capacidades políticas para ocupar o espaço, tornar-se conhecido, agregar força e empolgar o eleitorado. Se ele for candidato a presidente, esta é uma questão que só a campanha resolverá.

Publicado na edição nº 1181 de CartaCapital, em 28 de outubro de 2021.

Aldo Fornazieri

Aldo Fornazieri
Doutor em Ciência Política pela USP. Foi Diretor Acadêmico da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), onde é professor. Autor de 'Liderança e Poder'

Tags: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.