Alberto Villas

[email protected]

Jornalista e escritor, prepara o lançamento do “Almanaque Maurício Kubrusly”, pela Panda Books.

Opinião

Onde foram parar as borboletas?

As borboletas estão sumindo de São Paulo. Será a poluição? A falta de verde? O barulho? O trânsito?

Foto: Joaquin Sarmiento/AFP
Foto: Joaquin Sarmiento/AFP
Apoie Siga-nos no

Estávamos na Praça John Lennon, aqui em São Paulo, quando a Paulinha deu o alerta.

– Olha uma borboleta!

Onde? Eu perguntei perplexo, fazendo os olhos circularem 360 graus. Quando procurei, ela já tinha desaparecido, ou se camuflado no tronco de um ficus.

– Como era? Que tamanho? De que cor?

– Era pequena, acho que laranja. Voou!

Borboletas fizeram parte da minha infância. O bairro do Carmo tinha muitos lotes vagos e era nesses lotes que elas viviam aos montes.

No Colégio Marista, elas eram itens de colecionadores. Nós capturávamos nesses lotes borboletas de todas as formas, cores e tamanhos. E, depois de um banho de clorofórmio, íamos espetando uma a uma com alfinete numa placa de isopor, seguindo a nomenclatura.

Libytheana Carinenta, Morpho Menelaus, Arctia Caia, Ornithoptera Coliath, Nymphalidae… todas eram catalogadas com etiquetas coloridas feitas com uma máquina Dymo.

Essas placas de isopor eram dependuradas na parede da sala de aula e ali ficavam expostas. Havia uma certa competição para saber quem tinha capturado mais borboletas e quais eram as mais vistosas.

Víamos borboletas todos os dias ali no bairro do Carmo, como víamos taturanas, tatu bola, mosca varejeira, aranhas de todos os tipos, joaninhas, louva-deus, bicho-pau, todos esses insetos e muitos outros.

Borboleta já foi inspiração do folclore nordestino e que Marisa Monte trouxe até nós não faz muito tempo.

Borboleta pequenina que vem para nos saudar
Venha ver cantar o hino que hoje é noite de Natal
Eu sou uma borboleta pequenina e feiticeira
Ando no meio das flores procurando quem me queira

Não sei se todos já perceberam, mas as borboletas estão sumindo de São Paulo. Será a poluição? A falta de verde? O barulho? O trânsito? E não é só a borboleta que está sumindo. Faz anos que não vejo um tatu bola, uma minhoca, um besouro, uma joaninha.

No meu apartamento, de vez em quando entram abelhas. Acho que aqui perto deve ter uma colmeia. Elas circulam pelas tampas do pote de geleia, de mel, de melado. Na fruteira, quando os caquis estão bem maduros, elas costumam pousar.

Já combinei que no fim de semana que vem, vamos voltar na Praça John Lennon pra ver se encontramos uma outra borboleta, já que aquela que estava lá certamente já morreu. Borboleta só vive 24 horas.

Enquanto o sábado não chega, fico por aqui, lembrando aquela antiga canção do Caetano chamada Janelas Abertas Número 2:

Sim, eu poderia em cada quarto erguer a mobília

Em cada um matar um membro da família

Até que a plenitude e a morte coincidissem um dia

O que aconteceria de qualquer jeito

Mas eu prefiro abrir as janelas

Pra que entrem todos os insetos

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

Alberto Villas

Alberto Villas
Jornalista e escritor, prepara o lançamento do “Almanaque Maurício Kubrusly”, pela Panda Books.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.