Opinião

Há dois projetos de País em disputa: um que pede feijão e outro que pede fuzil

Neste 7 de setembro, que a vitória esteja ao lado daqueles que desejam comida no prato de todes

Crédito: Comunicação Alesp
Crédito: Comunicação Alesp

O 7 de setembro de 1822, comemorado como o dia da independência do Brasil de Portugal, foi construído por meio de um imaginário que evoca a bravura de Dom Pedro I cercado de populares, às margens do rio Ipiranga.

A cena retratada no quadro de Pedro Américo, no Museu do Ipiranga, não diz respeito a um fato real, mas representa uma alegoria que expressa como as elites econômicas que conduziram o processo gostariam que o evento fosse rememorado.

Em termos factuais, a chamada independência foi realizada por vias diplomáticas liderada por brancos escravocratas e comerciantes aliados da família real, que enxergavam no Brasil colônia um impedimento aos seus interesses políticos e econômicos. Para consolidar o processo, o Brasil precisou pagar uma indenização de 2 milhões de libras aos portugueses. Dinheiro que veio de um empréstimo feito à Inglaterra, que tinha interesses comerciais com o Brasil. Havia outros modelos de independência em disputa: movimentos como a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana, também chamada de Revolta dos Alfaiates, defendiam a independência e o fim da escravização.

 

As revoltas e o partido negro, que chegou a existir na época, buscavam não apenas a independência institucional de Portugal, mas a liberdade do povo preto, que vivia escravizado. A falsa independência realizada pelos setores dominantes não mexeu na ordem escravocrata. Não por acaso, a primeira Constituição brasileira, de 1824, não diz uma linha sobre a escravidão.

Deslocando-se para o momento atual, parece que a famosa frase “independência ou morte”, como símbolo da barbárie e do descaso das elites econômicas pelos setores populares, não cessa de se atualizar. As instituições que protegem a democracia são as mais ameaçadas no atual momento.

Mesmo que a democracia plena nunca tenha chegado de fato para as populações negras e indígenas, começava a se esboçar um processo de ampliação e garantia de direitos por meio dos mecanismos institucionais, com o desenvolvimento de políticas públicas. São elas: a demarcação de terras indígenas e quilombolas, políticas de reparação como as cotas raciais nas universidades e nos concursos públicos, programas de universalização do ensino superior como o ProUni e o Fies, criminalização da homofobia, normatização do uso de nome social e programas de transferência de renda que ampliaram a parcela da população com acesso a direitos sociais, civis e políticos.

Essas políticas conquistadas nos últimos 20 anos, em um país cujo alicerce é a exploração do povo e da terra, fez com que setores da sociedade apoiassem o suposto outsider.

O governo Bolsonaro se caracteriza pela constante tentativa de destruir os mecanismos institucionais que freiam a barbárie social, aparelhando-os e corroendo-os para que suas funções sejam distorcidas ou não cumpridas. Além disso, dissemina narrativas que colocam as instituições como inimigas da população e da própria democracia, situação que fomenta o caos, único estado em que ele se sente confortável.

Neste 7 de setembro são dois projetos de País em disputa: um que pede feijão e outro que pede fuzil. Que a vitória esteja ao lado daqueles que desejam comida no prato de todes.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!