Frente Ampla

Polarização eleitoral é uma coisa, barbárie é outra

Construíram um ambiente do caos, um verdadeiro ideário de guerra

Foto: Arquivo pessoal
Foto: Arquivo pessoal
Apoie Siga-nos no

Estamos vivendo o que parece ser uma espécie de universo paralelo, é impossível receber a notícia de uma morte motivada por ódio, por convicção ideológica, sem qualquer problema aparente entre as partes envolvidas e não se indignar diante desta barbárie.

Essa situação que aconteceu aqui no Paraná, na cidade da tríplice fronteira, que exerce o papel da integração latinoamericana, a cidade que representa a união e a diversidade sociocultural foi palco para a intolerância, para o ódio.

É inaceitável que bolsonaristas e determinados veículos de imprensa busquem resumir o fato como uma briga, como se cada uma das partes tivessem exercido o mesmo papel. O pronunciamento do vice-presidente da república, por exemplo, de que essa é “mais uma briga de fim de semana que acontece nas cidades” é um escracho à democracia, é uma gargalhada cruel que minimiza o ambiente de caos instalado pelo bolsonarismo.

Costumo dizer que não basta derrotar Bolsonaro, é necessário derrotar o bolsonarismo. E é essa vertente, que alimenta o ódio, que radicaliza o ideário de uns contra os outros, não como adversários políticos, mas como inimigos.

Gosto de lembrar que por décadas acompanhamos e protagonizamos uma divergência política saudável. Não existiam assassinatos entre tucanos e petistas. O que havia era uma divergência natural, completamente dentro da normalidade democrática  que prezava pelo debate de ideias e pelo respeito.

Não podemos aceitar que utilizem este crime tão atroz que foi o assassinato de nosso companheiro Marcelo Arruda, para vender uma narrativa de que há uma polarização política e uma radicalização ideológica dos dois lados, o que vemos é o extremismo bolsonarista, afinal, ninguém nunca viu uma história onde os papéis de agressor e vítima estejam invertidos, onde um petista tenha invadido a casa de um bolsonarista e ameaçado matar a todos.

Marcelo estava comemorando seu aniversário de 50 anos com sua família e amigos, um homem que dedicou sua vida a lutar pelos direitos das pessoas, seja no trabalho, no sindicato, no partido. Marcelo estava feliz ao expressar sua ideologia, sua realização de votar em Lula e foi esse o motivo de ter sido assassinado, ousar defender uma bandeira, ousar defender um projeto, ousar ter esperança de construir um novo Brasil.

Era sábado a noite, recebi em um grupo de whatsapp do partido, foto e vídeo do aniversário do Marcelo cantando parabéns com os enfeites do PT e Lula ao fundo. Era 22:21 quando recebi essa mensagem no sábado, uma mensagem que demonstrava felicidade, alegria dos amigos no vídeo, uma simples festa de aniversário.

Acontece que no mesmo grupo, às 2:40 do domingo, a mensagem era o relato do que tinha acontecido minutos após o parabéns. A mensagem era de que Marcelo estava em estado grave na UTI, e então as 4:42 a nova mensagem era de que ele havia falecido.

Estava tudo bem e de repente um extremista que se diz cidadão de bem, amante das armas e apoiador de Bolsonaro invadiu o local e prometeu uma chacina. Marcelo foi heroico em seu último ato de vida, defendeu a todos que estavam ali e impediu uma tragédia ainda maior.

Quantos bolsonaristas vemos se apresentando da mesma forma que o assassino nas redes sociais? A verdade é que o bolsonarismo abriu as portas para a barbárie, as pessoas perderam o receio de serem inescrupulosas. Este é o Brasil de Bolsonaro, de um presidente que defende o armamento em massa, que estimula o ódio e uma rivalidade estúpida, que ultrapassa qualquer limite.

É muito preocupante, a escalada da violência é real. Construíram um ambiente do caos, um verdadeiro ideário de guerra. Mas é fundamental que a gente tenha em mente que não existe guerra, precisamos levar a mensagem de que a polarização é eleitoral, apenas. Se há extremismo, se há o desejo de aniquilar aquele que pensa diferente, isto parte de apenas um pólo, é unilateral, é comportamento do bolsonarismo.

Por isso defendemos que este caso seja federalizado, porque não é pontual, este acontecimento colocou o dedo na ferida do que estamos enfrentando, expôs a violência e a sensação de perigo que está em nossa órbita. Mas existem outros casos, outros ataques, sejam físicos ou verbais, que precisam ser investigados, pois a impunidade certamente contribui com a potencialização da violência política.

E mais, este ano é eleitoral, em menos de três meses iremos às urnas no primeiro turno. A cada dia que passa estamos mais vulneráveis diante do ódio propagado pelo bolsonarismo. Como cidadão, deputado, presidente do partido e pai, meu clamor é para que as Instituições redobrem os cuidados quanto à segurança durante o período eleitoral.

A eleição é a festa da democracia, é o momento onde levamos milhões de brasileiros a refletir, debater e pensar sobre os rumos do país, e é imprescindível que possamos exercer a nossa cidadania com tranquilidade, sem precisar ter medo de sermos livres e podermos expressar nossas opiniões e preferências políticas.

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

Arilson Chiorato

Arilson Chiorato
Deputado estadual e presidente do PT-PR

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.