Bolsonaro não passa de um fascista tardio, tolo e mal-educado

Uma interpretação do presidente brasileiro a partir da livre análise de textos de Umberto Eco

Jair Bolsonaro

Jair Bolsonaro

Opinião,Política

No debate político é importante dar nome às coisas. E dar-lhes o nome correto. Afirmar que Bolsonaro é fascista é ir além de dizer que se trata de um conservador, um reacionário ou um governante de direita. Isso ele é, mas é perfeitamente possível ser direitista e não ter afinidade com o fascismo. Muitos políticos de direita foram e são antifascistas. Tampouco significa que é um autoritário no plano ideológico e capaz de atitudes e comportamentos violentos. Sempre foi assim, como demonstrou ao longo da vida, por meio de palavras e gestos, mas não se trata desse aspecto aqui.

Há governantes autoritários que não são fascistas. Em nossa história, tivemos chefes de governo autoritários que não o eram, entre eles os militares ocupantes do poder de 1964 em diante. Autoritarismo e fascismo podem até ser próximos, mas são diferentes.    

Em seu uso atual, as expressões fascismo e fascista adquiriram sentido amplo, maior do que aquelas que designam fenômenos políticos e ideias até semelhantes, como o nazismo, o salazarismo e o franquismo. Estes, contudo, são conceitos de aplicação específica e referem-se a casos históricos particulares, enquanto o fascismo alude a algo além de Mussolini e da experiência italiana.

Não seria, portanto, correto dizer que Bolsonaro é nazista. Pelos mesmos motivos e em que pese o fato de ele compartilhar a noção de supremacia branca ou a idolatria das armas de fogo, não caberia dizer que é um adepto da Ku Klux Klan ou integrante da Associação Nacional do Rifle americana. Um dia, quem sabe, chega lá.

Como afirmou Umberto Eco em um texto de 1995, intitulado “Ur-Fascismo” e publicado na New York Review of  Books, a possibilidade de uso amplo do conceito de fascismo decorre de uma das características mais importantes do fenômeno histórico: a imprecisão, indefinição ou falta de nitidez.

No período em que Mussolini foi primeiro-ministro, o fascismo na Itália passou de republicano a monarquista e voltou à República, manteve um exército regular e uma milícia pessoal para o líder máximo, conviveu em harmonia com a Igreja Católica e propôs o culto à violência na educação pública, defendeu a primazia do livre-mercado e interveio drasticamente na economia. Não que o fascismo italiano, em suas contradições, contivesse os elementos das formas de totalitarismo que o sucederam. Ele não passava de uma colagem de ideias filosóficas e políticas heterogêneas e, muitas vezes, antagônicas. Nas palavras de Eco, Mussolini não tinha uma filosofia, somente uma retórica (e uma iconografia) copiada por outras lideranças totalitárias à direita dali em diante.     

Não há um fascismo único, mas formas diferentes de fascismo, assim como não há apenas um tipo de fascista, mas diversos. Tal qual ocorre com as doenças do organismo, em relação às quais se pode afirmar que os indivíduos têm experiências singulares, o fascismo é uma espécie de doença do sistema político que cada sociedade atravessa à sua maneira.  

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Eco identifica alguns traços que integram a “nebulosa fascista” e que os fascismos concretos compartilham, em maior ou menor grau. Muitos são visíveis no Brasil de hoje: o irracionalismo, de braços dados com o fanatismo religioso e o ocultismo, a desvalorização do pensamento e a exaltação do fazer, a desconfiança nos intelectuais (identificados como “degenerados” ou “vermelhos”, traidores dos “valores nacionais tradicionais”), o medo do diferente e o racismo. Bolsonaro repete Mussolini e Hitler no modo como procura manter insuflada sua militância, como uma tropa de “combatentes heroicos”, da qual espera adesão cega. Também como eles, o fascista brasileiro transfere sua vontade de poder para o campo sexual, no machismo que implica desdém pelas mulheres e intolerância e condenação de formas não convencionais de sexualidade. Como Hitler e Mussolini, da dificuldade em lidar com o sexo real Bolsonaro escapa para brincadeiras com armas, um exercício fálico substitutivo.

 

O capitão brasileiro é, no entanto, menos capaz e qualificado intelectualmente que esses personagens. O carisma de sua imagem é menor, a capacidade de comunicação popular é limitada, não transmite autoridade, não provoca o respeito. Ninguém interrompe seus afazeres para ouvi-lo, muito menos permanece imantado, como ficavam milhares de italianos ou alemães na presença de seus líderes.    

Bolsonaro não passa de um fascista tardio, tolo e mal-educado, que nada tem a dizer ao País. Isso não desobriga, no entanto, o pensamento democrático de fazer, em relação a ele, o que Eco propõe: “Nosso dever é revelar o fascismo e apontar suas novas manifestações, a cada dia, em qualquer lugar do mundo”.

 

Este texto não reflete necessariamente a opinião de CartaCapital.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Sociólogo, é presidente do Instituto Vox Populi e também colunista do Correio Braziliense.

Compartilhar postagem