Zuckerberg anuncia bloqueio de Trump no Facebook por tempo indefinido

Contas do presidente ficarão fora do ar por pelo menos duas semanas, disse o empresário

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump. Foto: Tasos Katopodis/Getty Images/AFP

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump. Foto: Tasos Katopodis/Getty Images/AFP

Mundo

As contas do presidente Donald Trump no Facebook ficarão bloqueadas por pelo menos duas semanas, segundo anunciou o dono da rede social, Mark Zuckerberg, nesta quinta-feira 7. Em comunicado na internet, o empresário afirmou que há “riscos” caso Trump continue a usar os serviços da companhia nos próximos dias.

 

 

A decisão ocorre um dia após militantes de extrema-direita invadirem o Congresso americano para protestar contra a posse de Joe Biden, eleito presidente dos Estados Unidos em 2020. O democrata toma posse no dia 20 de janeiro. Uma mulher morreu baleada nas manifestações.

Na ocasião, Trump usou a plataforma para repetir as acusações de fraude na votação que elegeu Biden. Suas declarações no Facebook e no Twitter foram removidas. Para Zuckerberg, o republicano atiçou a violência em vez de condená-la, para minar a transição pacífica e legal ao seu sucessor.

“Nos últimos anos, permitimos que o presidente Trump usasse nossa plataforma de acordo com nossas próprias regras, às vezes removendo conteúdo ou rotulando suas postagens quando violavam nossas políticas. Fizemos isso porque acreditamos que o público tem direito ao mais amplo acesso possível ao discurso político, mesmo que polêmico”, declarou.

 

“Mas o contexto atual agora é fundamentalmente diferente, envolvendo o uso de nossa plataforma para incitar uma insurreição violenta contra um governo eleito democraticamente”, afirmou Zuckerberg.

 

Mais cedo, Trump reconheceu que seu mandato está terminando e prometeu uma “transição em ordem”. No dia anterior, pediu que seus apoiadores “voltassem para casa”.

“Sei que vocês estão magoados. Tivemos uma eleição roubada de nós. Todos sabem, principalmente o outro lado. Mas vocês têm de ir para casa agora. Temos de ter paz. Temos de ter lei e ordem. Não queremos ninguém machucado”, disse Trump.

Apesar dos protestos, o Congresso já certificou a vitória de Biden. Congressistas avaliam ainda a possibilidade de um impeachment contra o presidente em seus últimos dias de mandato.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem