Mundo

Zelensky pede ajuda de Lula para reunir lideranças na América Latina

Ele reconheceu que, dificilmente, o Brasil fornecerá armas para os ucranianos, mas cobrou uma oportunidade de ser recebido e ouvido por Lula

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenksy, pediu ajuda de Lula (PT) para organizar uma reunião com líderes na América Latina. A iniciativa é uma tentativa de angariar apoiadores na região, que conta com uma parcela de simpatizantes a causas russas no conflito.

O pedido de um encontro com Lula foi feito por Zelensky em uma entrevista ao canal de tevê Globonews, exibida nesta quinta-feira 27. O ucraniano lamenta ter ‘se desencontrado’ com o petista em outras oportunidades e classifica o desencontro como ‘um erro’.

“Primeiro, preciso de coisas bem concretas. Que ele una a América Latina e nos dê oportunidade de fazer uma reunião e conversar”, disse Zelensky sobre Lula e o Brasil. “Segundo, há crime de agressão contra nossa soberania e integridade territorial. Sei que Lula e os brasileiros apoiam a soberania da Ucrânia e precisamos desse apoio.”

“Se não nos encontramos [nas oportunidades que tivemos], significa que há algo errado entre os nossos povos”, afirmou o ucranino. “Não entendo a razão de não nos reunirmos”, insistiu.

Mais adiante, Zelenksy torna a tratar do pedido de reunião e reforça que, se for ouvido pelos presidentes latinos, conseguirá angariar novos apoiadores para a Ucrânia no conflito.

Eu tenho interesse, sim, em me encontrar com o presidente. […] Já que o líder forma a opinião do povo que o elegeu, é importante que o líder me ouça”, disse.

“A América Latina é muito importante para mim, especialmente o Brasil, e outros países. […] Podemos todos nos reunir no Brasil, ou em outro país [da região]. A Ucrânia será ouvida e terá apoio no continente”, destacou.

Na conversa com a emissora brasileira, Zelensky disse ainda querer outras ‘ajudas concretas’ do Brasil no conflito. Ele reconhece ser difícil que o País forneça armas para a Ucrânia, mas diz que pretende pedir a Lula equipamentos especializados em identificação de minas terrestres.

Ele acusa o russo Vladimir Putin de ter instalado as bombas em plantações na região tomada pela guerra. Segundo Zelensky, a tecnologia brasileira pode fazer com que “os fazendeiros não tenham medo de morrer”. Essa seria, segundo o europeu, uma ajuda humanitária e não política do Brasil.

O ucraniano disse ainda que o petista pode auxiliar na negociação por um novo acordo de grãos, encerrado recentemente pela Rússia. Isso, defende Zelensky, seria uma forma do País contribuir com a paz na região.

“[Essa é uma forma de] ajudar a Ucrânia e, assim, ajudar outros países que precisam lutar contra a fome”, destacou. “Outros países que sofrem com essa fome também precisam pressionar Putin política e economicamente”, reforçou em seguida.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo