Venezuela pede e FMI nega US$ 5 bi para conter coronavírus

Segundo Maduro, a ajuda contribuiria para defender o país das consequências da pandemia

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. Foto: Yuri Cortez/AFP

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. Foto: Yuri Cortez/AFP

Mundo

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, pediu nesta terça-feira 17 ao Fundo Monetário Internacional (FMI) uma ajuda de US$ 5 bilhões para lidar com o novo coronavírus, solicitação já negada pela instituição financeira.

Em carta, Maduro pediu ao FMI que considerasse conceder a ele “um mecanismo de financiamento por 5 bilhões de dólares do fundo de emergência do Instrumento de Financiamento Rápido”.

Mas o FMI respondeu que “lamentavelmente o Fundo não está em condições de analisar a solicitação” diante da “falta de clareza” envolvendo o reconhecimento internacional do governo da Venezuela, revelou um funcionário da instituição financeira à AFP.

Os recursos, segundo Maduro, contribuiriam “significativamente para fortalecer nossos sistemas de detecção e resposta” diante da pandemia que até agora causou 33 pacientes na Venezuela.

Essa ajuda solicitada por Maduro ao FMI era a primeira feita pela Venezuela desde 2001.  A última visita de uma missão técnica da agência a Caracas foi em 2004.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem