Mundo

Um milhão de pessoas fugiram da Ucrânia na primeira semana da invasão russa

De acordo com estimativas da ONU, 12 milhões de pessoas no país e outras quatro milhões no exterior precisarão de proteção e assistência nos próximos meses

Refugiados da Ucrânia atravessam fronteira com a Polônia. País já recebeu 500 mil fugidos da invasão russa.

Foto: Wojtek RADWANSKI / AFP
Refugiados da Ucrânia atravessam fronteira com a Polônia. País já recebeu 500 mil fugidos da invasão russa. Foto: Wojtek RADWANSKI / AFP
Apoie Siga-nos no

Um milhão de refugiados fugiram da Ucrânia para países vizinhos desde o início da invasão russa há uma semana, informou o Alto Comissário da ONU para Refugiados, Filippo Grandi, nesta quinta-feira (3).

“Em apenas sete dias, vimos o êxodo de um milhão de refugiados da Ucrânia para países vizinhos”, tuitou Grandi.

“Para milhões de outros, dentro da Ucrânia, é hora das armas caírem para que a assistência humanitária possa alcançar e salvar vidas”, acrescentou.

O chefe da Agência da ONU para Refugiados (Acnur) planeja viajar nos próximos dias para a Romênia, Moldávia e Polônia, três dos países que recebem esse fluxo de refugiados.

De acordo com dados da guarda de fronteira da Polônia, mais de 500.000 pessoas entraram no país desde a Ucrânia até às 15h00 locais desta quarta-feira (11h00 de Brasília).

Um balanço da ONU não atualizado desde terça-feira indica que outras 115.000 pessoas fugiram para a Hungria e cerca de 80.000 foram para a Moldávia.

Nesta semana, a Acnur apresentou um pedido emergencial para a arrecadação de 1,7 bilhão de dólares para ajudar as pessoas exiladas ou deslocadas pelo conflito na Ucrânia.

De acordo com suas estimativas, 12 milhões de pessoas no país e outras quatro milhões no exterior precisarão de proteção e assistência nos próximos meses.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.