Mundo

Twitter endurece medidas contra posts de políticos; Trump está na mira

Além de uma advertência, a plataforma dará a essas publicações menos visibilidade na rede social

 Robôs que geram contas falsas e espalham conteúdo em escala industrial podem ter influenciado discussão sobre a greve
Robôs que geram contas falsas e espalham conteúdo em escala industrial podem ter influenciado discussão sobre a greve

O Twitter decidiu nesta quinta-feira 27 endurecer as medidas contra os políticos que violam suas regras, ao incitar a violência, por meio de mensagens de advertência que também podem ser aplicadas ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Os tuítes em questão serão precedidos por uma mensagem que indicará que essas publicações violam as regras da rede social, mas serão difundidos em “interesse do público em geral”, detalhou em um blog.

“Participar no debate público inclui dar a oportunidade a todos de falar sobre temas que são importantes para eles; isso pode ser especialmente importante quando se trata de funcionários do governo ou políticos”, escreveu a empresa.

“Devido à sua posição, esses líderes têm uma grande influência e, às vezes, dizem coisas que podem ser consideradas controversas ou convidam ao debate e à discussão”, acrescentou.

Também “há alguns casos nos quais é de interesse público ter acesso a alguns tuítes, inclusive quando normalmente violam nossas regras”, indicou a rede social. “Nessas raras ocasiões, colocaremos uma advertência, um telão em que terá que fazer um clique antes de ver o tuíte, para proporcionar contexto e clareza.”

Além dessa advertência, o Twitter dará a essas publicações menos visibilidade na rede social.

Trump na mira

A nova regra se aplicará a funcionários governamentais, eleitos e candidatos para as eleições ou cargos no governo com mais de 100.000 seguidores. Também requerirá que a conta tenha sido verificada pelo Twitter.

Estas medidas, que se aplicarão a tuítes publicados desde quinta-feira 27, se anunciam um dia depois de uma nova série de ataques de Trump à rede social, à qual acusa de censura.

“Evitam que as pessoas me sigam no Twitter, e tenho muito mais problemas para transmitir minha mensagem”, disse Trump na quarta-feira ao canal Fox Business.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!