Trump descarta quarentena em Nova York, estado mais atingido pelo coronavírus

O republicano afirmou que medida não teria impacto para o comércio entre os estados envolvidos e o restante do país

(Foto: Official White House Photo by Joyce N. Boghosian)

(Foto: Official White House Photo by Joyce N. Boghosian)

Mundo

O presidente dos Estados Unidos anunciou, no sábado à noite, que desistiu da ideia de aplicar uma quarentena nos estados de Nova York, Nova Jersey e Connecticut, poucas horas depois de ter mencionado a possibilidade como forma de combater o coronavírus.

“Uma quarentena não será necessária”, escreveu Trump no Twitter, oito horas depois de ter proposto que a região  metropolitana de Nova York alertasse os residentes para que não saíssem do estado.

O Centro para o Controle e Prevenção de Doenças (CDC), autoridade nacional de saúde, aconselhou no sábado à noite aos moradores da região que não viajem, exceto em casos essenciais.

Uma quarentena deste tipo teria sido a medida mais dura adotada pelo governo dos Estados Unidos para frear a propagação da doença.

Durante o sábado, o presidente cogitou a possibilidade de colocar o estado de Nova York em quarentena, mas sem revelar os detalhes sobre o alcance da medida.

Os Estados Unidos registram atualmente mais de 120.000 casos confirmados e mais de 2.100 mortes provocadas pela COVID-19.

O estado de Nova York é, de longe, o mais afetado pelo coronavírus nos Estados Unidos, com mais de 53.000 casos e 672 mortes.

“Nova York, Nova Jersey, talvez um ou dois lugares a mais, algumas partes de Connecticut, estou pensando”, afirmou Trump no início da tarde.

Vários juristas questionaram a possibilidade do presidente americano impor tal medida.  O republicano afirmou que medida “não teria impacto” para o comércio entre os estados envolvidos e o restante do país.

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, que conversou com Trump no sábado, disse que o assunto não foi tratado pelos dois. “Eu nem sei o que isso significa”, disse Cuomo em uma entrevista coletiva.

“Não sei como isso (isolamento compulsório) pode ser legalmente aplicado. E do ponto de vista médico, não sei o que se pode fazer”, disse Cuomo. “Mas posso lhe dizer que não gosto do tom. Não entendo o que é, mas não gosto do tom”, disse o governador.

Ao ser questionado pelo canal CNN sobre a possibilidade de Washington fechar as fronteiras estaduais, Cuomo advertiu que seria uma decisão “ilegal”, similar a “uma declaração de guerra contra os estados” da União.

“Acredito que paralisaria a  economia. Surpreenderia os mercados em uma escala sem precedentes. Como governador, não fecharei minhas fronteiras”, completou.

Andrew Cuomo recordou que os estados de Nova York, Nova Jersey e Connecticut já paralisaram todas as atividades não essenciais e pediram a seus habitantes que permaneçam em casa.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem