Mundo

Se Lula não finalizar acordo, negociação com UE será interrompida, diz próximo presidente do Mercosul

Santiago Peña, do Paraguai, assume o comando do bloco no dia 6 de dezembro

Em destaque, os presidentes Santiago Peña e Lula. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente do Paraguai, Santiago Peña, abriu mão de conduzir as negociações para o acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia (UE). Em entrevista coletiva realizada em Assunção, na última segunda-feira, Peña afirmou que o presidente Lula (PT) deverá concluir as negociações até 6 de dezembro, período em que o Brasil vai passar a presidência rotativa do bloco para o Paraguai.

“Disse ao Lula para concluir as negociações, porque se ele não as concluir, não prosseguirei com elas nos próximos seis meses”, declarou Peña, justificando que vai dedicar a sua gestão semestral em “a fazer acordos com outras regiões do mundo”.

Apesar da sinalização de que pretende interromper as negociações na sua gestão, Peña disse acreditar no sucesso de Lula. “Tenho certeza de que chegaremos a um acordo muito rapidamente”, afirmou.

Para o mandatário, o acordo comercial entre os dois blocos enseja uma decisão política, mais do que um debate técnico, uma vez que as negociações se arrastam há 25 anos. “Nesse acordo comercial, não se trata mais de uma discussão técnica, é uma decisão política, e isso não está do lado do Mercosul, mas do lado da União Europeia”, disse.

Nos últimos meses, Lula vem indicando que o acordo com a UE deve ser fechado até o início de dezembro. Peña aproveitou a coletiva para tratar do capital político de Lula frente ao bloco. “Se há alguém que pode fechar esse acordo é Lula”, insistiu.

Em 2019, os dois blocos finalizaram o texto do acordo, mas uma série de demandas na área ambiental, por parte da UE, vêm travando a execução. 

Os europeus exigem maiores compromissos na área ambiental, baseados, por exemplo, em uma legislação que impede a importação de produtos que têm origem em áreas desmatadas. Lula já apontou que a lei gera “efeitos extraterritoriais e que modificam o equilíbrio do acordo”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.