Mundo

Resultado eleitoral ‘exótico’ na Argentina pode travar acordo Mercosul-UE, diz Haddad

Acordo entre o Mercosul e a União Europeia estabelece uma série de medidas para facilitar o comércio entre os dois blocos

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Foto: Washington Costa/MPO
Apoie Siga-nos no

O Ministro da Fazenda Fernando Haddad (PT) comentou que a meta do Brasil é fechar o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia ainda em 2023. Sem citar o ultradireitista Javier Milei, Haddad afirmou que não se sabe o que poderá ocorrer com o bloco caso ocorra um resultado eleitoral “exótico” na Argentina.

“O presidente Lula está insistindo com Europa para que a gente feche o acordo neste ano. Ele sabe do que está falando. Eu não sei o que vai ser do Mercosul se não tiver acordo fechado e tivermos resultado eleitoral exótico”, afirmou Haddad.

Pode acontecer nem do Mercosul sobreviver. Agora imagine você se o acordo é fechado, talvez o resultado eleitoral não seja o suficiente para implodir o bloco”, completou o ministro.

O Ministro falou do evento “Brasil na Liderança da Justiça Climática: A Economia Brasileira Rumo à Transformação Ecológica” em Nova York, nos Estados Unidos.

O Acordo entre o Mercosul e a União Europeia estabelece uma série de medidas para facilitar o comércio entre os dois blocos. O Imposto de Importação, por exemplo, será eliminado para mais de 90% dos bens comercializados entre os países dos dois blocos após um período de transição.

Este seria um marco importante na história do comércio internacional, representando um esforço conjunto para fortalecer as relações econômicas e comerciais entre dois blocos regionais.

Eleição na Argentina

Milei tem chamado atenção do mundo por suas declarações polêmicas, inclusive contrárias ao sistema eleitoral brasileiro e ao Mercosul.

Nas eleições primárias, realizadas em 13 de agosto para definir os candidatos à Presidência, Milei foi o mais votado, com 29,9%.

A expectativa é que o segundo turno seja entre Milei e o atual ministro da Economia, Sergio Massa, representante do peronismo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo