Mundo

Redes sociais removeram ‘milhares de conteúdos ilegais’ durante distúrbios na França

Na lista das postagens excluídas estavam chamados a atos violentos e divulgação de dados pessoais de policiais

Protesto em Nanterre, oeste de Paris, em 28 de junho, após a morte de um garoto de 17 anos por um policial. Foto: Geoffroy Van der Hasselt/AFP
Apoie Siga-nos no

As redes sociais removeram, “muito rapidamente, milhares de conteúdos ilegais e suspenderam centenas de contas” durante os distúrbios que eclodiram após a morte de um jovem baleado por um policial na França, informou à AFP, nesta quarta-feira 5, a delegação ministerial francesa do setor digital.

Os ministérios do Interior e da Justiça enviaram centenas de pedidos às grandes plataformas para o cancelamento de conteúdo ilegal, como chamados a atos violentos e divulgação de dados pessoais de policiais.

Os ministros convocaram na última sexta-feira os representantes de TikTok, Snapchat, Twitter, Facebook e Instagram e os submeteram “a uma pressão enorme para que retirem o conteúdo ilegal, pedido ao qual eles responderam rapidamente”, destacou a fonte.

O governo francês também pediu às plataformas que exerçam “vigilância máxima sobre funcionalidades que podem ser desviadas para alterar a ordem pública”, disse à revista Challenges o ministro delegado da Transição Digital e das Telecomunicações, Jean-Noël Barrot.

A morte, em 27 de junho, de um jovem baleado por um policial durante uma blitz nos subúrbios de Paris provocou uma onda de violência que resultou em milhares de detidos, dezenas de policiais feridos e centenas de prédios incendiados e carros queimados.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.