Mundo

Quem é a senadora que assumiu a presidência da Bolívia com a Bíblia na mão

Jeanine Áñez já foi apresentadora de TV, participou da criação da nova Constituição do país e tem um perfil conservador

Ex-senadora e presidente autodeclarada da Bolívia, Jeanine Añez.
Foto: Aizar RALDES / AFP
Ex-senadora e presidente autodeclarada da Bolívia, Jeanine Añez. Foto: Aizar RALDES / AFP

Após Evo Morales anunciar, no domingo 10, sua renúncia à presidência da República da Bolívia após pressão da oposição e dos militares, um vazio tomou conta do poder no país. Além de Morales, todos os outros que poderiam assumir em seu lugar – vice-presidente da República, presidente do Senado e o presidente da Câmara dos Deputados – também deixaram o cargo.

Desde então, o país estava sem um comando oficial em meio a uma grave crise institucional. Até que na noite desta terça-feira 12, surgiu um novo nome: Jeanine Áñez. A senadora, que é também segunda vice-presidente do Senado, convocou uma sessão legislativa e, sem quórum  suficiente, se declarou presidente do país.

 

Mais tarde, o Tribunal Constitucional do país concordou com a reivindicação, reconhecendo Jeanine como chefe do executivo. A parlamentar assumiu o cargo prometendo convocar novas eleições o mais rápido possível e recebeu a faixa presidencial segurando uma Bíblia em suas mãos.

“Assumo de imediato a presidência e me comprometo a tomar todas as medidas necessárias para pacificar o país” disse ela.

Segunda mulher a comandar a Bolívia

Jeanine é advogada e tem 52 anos. Ela nasceu em Trinidad, Departamento de Beni e foi eleita senadora em 2010 pelo partido do Plano Progresso para a Bolívia – Convergência Nacional (PPB-CN), oposição ao governo de Evo Morales.

Ela será a segunda mulher a comandar a Bolívia – entre 1979 e 1980, o país teve como presidente Lidia Gueiler Tejada, que foi derrubada por militares.

A nova presidente foi uma das responsáveis por escrever a Constituição do país. Em 2006, quando era apresentadora de TV na cidade de Trinidad, Jeanine se candidatou ao cargo de parlamentar da Assembleia Constituinte, que redigiu a Constituição vigente. Foi eleita e ficou no cargo de 2006 a 2008.

Em 2010, foi eleita como senadora e reeleita em 2015. Seu marido, Héctor Hincapié Carvajal, é um político conservador da Colômbia.

“Estou praticamente há dez anos fazendo oposição e não podemos dizer que estávamos em uma democracia plena. Não se pode falar de democracia quando há perseguidos políticos, quando há exilados políticos, quando a institucionalidade democrática é inexistente no país, quando não se respeita a Constituição”, declarou a senadora na segunda-feira 11.

Em uma entrevista depois de assumir como presidente, ela atacou a esquerda: “Assim são os socialistas: usam mecanismos democráticos e se aferram ao poder, e depois enganam a gente, cooptam instituições, acaba a institucionalidade democrática”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!