Mundo

Putin ordena exercícios nucleares após declarações sobre envio tropas ocidentais à Ucrânia

A data e o local dos exercícios não foram revelados

Foto: Valery SHARIFULIN / POOL / AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou nesta segunda-feira a realização “em um futuro próximo” de exercícios nucleares, em resposta às declarações dos governantes de potências ocidentais sobre a possibilidade de envio de soldados à Ucrânia.

O Ministério da Defesa russo anunciou em um comunicado, publicado no Telegram, a organização de exercícios “para o treinamento da preparação e uso de armas nucleares não estratégicas”.

A nota acrescenta que a medida foi tomada “por instrução do comandante-em-chefe supremo das Forças Armadas da Federação Russa”, o presidente Vladimir Putin.

O treinamento pretende “manter a preparação” do Exército, após as “declarações provocadoras e ameaças de alguns governantes ocidentais contra a Rússia“, afirmou o ministério.

Os exercícios incluirão a Aeronáutica, a Marinha e as Forças do Distrito Militar do Sul, que têm sede muito perto da Ucrânia e abrangem as regiões ucranianas que Moscou alega ter anexado.

A data e o local dos exercícios não foram revelados.

Desde o início do conflito na Ucrânia, em fevereiro de 2022, Putin menciona a possibilidade de recorrer às armas nucleares.

Em outubro do ano passado, a Rússia anunciou que Putin supervisionou lançamentos de mísseis balísticos durante manobras militares que pretendiam simular um “ataque nuclear em larga escala” por parte de Moscou.

O Kremlin afirmou que os exercícios são uma resposta às declarações de líderes das potências ocidentais sobre a possibilidade de enviar tropas à Ucrânia.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, denunciou que autoridades falem sobre a “intenção de enviar contingentes armados para a Ucrânia, ou seja, de colocar soldados da Otan diante das Forças Armadas russas”.

Peskov mencionou o presidente francês, Emmanuel Macron, cuja retórica chamou de “muito perigosa”, assim como declarações de funcionários de alto escalão dos governos do Reino Unido e Estados Unidos.

Na semana passada, Macron, reiterou a posição sobre o possível envio de tropas à Ucrânia, que já havia mencionado em fevereiro.

“Se os russos conseguirem romper as linhas da frente, se houver um pedido ucraniano – o que não é o caso hoje – deveríamos levantar legitimamente a questão”, disse o presidente francês.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo