Mundo

Zelensky reconhece falta de efetivos e problemas de ‘moral’ nas tropas

Exército ucraniano sofre para recrutar, enquanto os combatentes estão ficando exaustos e irritados

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. Foto: Anatolii Stepanov/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, admitiu, nesta quinta-feira 17, em entrevista à AFP que seu exército precisa de mais efetivos para elevar o ânimo das tropas, um reconhecimento incomum por parte do governante.

A Ucrânia cedeu território às forças russas desde o final do ano passado, em parte devido à escassez de soldados que forçou o governo a aprovar uma lei de mobilização.

“Precisamos dotar as reservas de pessoal […] Um grande número [de brigadas] está vazio”, declarou Zelensky.

Muitos soldados ucranianos estão lutando há mais de dois anos sem a possibilidade de serem dispensados.

Sem fim à vista para a guerra, o Exército ucraniano sofre para recrutar, enquanto os combatentes estão ficando exaustos e irritados com a falta de rotatividade.

“Temos que fazer isso para que os rapazes tenham uma rotação normal. Assim, seu moral vai melhorar”, disse Zelensky à AFP.

“É uma questão de força física e justiça. Isso requer que as reservas sejam preparadas”, continuou.

A lei aprovada pelo Parlamento entra em vigor neste sábado. Ela reduz a idade mínima de mobilização de 27 para 25 anos e simplifica os procedimentos de mobilização.

Mas, em uma reviravolta controversa, a norma eliminou uma proposta vital que teria dado aos soldados que servem há mais de 36 meses a possibilidade de serem dispensados.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo