Mundo

França: Professor que mostrou caricaturas de Maomé é decapitado no meio da rua

‘Todos nós estaremos juntos. Não passarão, o obscurantismo e a violência que o acompanha não vencerão, afirmou Macron

Macron
Macron vai ao local onde vítima foi decapitada, perto da escola Bois d'Aulne, onde ele trabalhava, em Conflans-Sainte-Honorin. Foto: ABDULMONAM EASSA_POOL_AFP Macron vai ao local onde vítima foi decapitada, perto da escola Bois d'Aulne, onde ele trabalhava, em Conflans-Sainte-Honorin. Foto: ABDULMONAM EASSA_POOL_AFP
Apoie Siga-nos no

Um professor de história que exibiu caricaturas de Maomé durante uma aula sobre liberdade de expressão foi decapitado perto de Paris nesta sexta-feira 16 e seu agressor, morto pela polícia.

 

O presidente francês, Emmanuel Macron, condenou o que ele chamou de “atentado terrorista islamita”.

O assassinato ocorre três semanas após um ataque a faca na capital francesa perto da antiga sede da revista Charlie Hebdo, que publicou as charges.

A vítima foi decapitada no meio da rua, perto da escola Bois d’Aulne, onde ele trabalhava, em Conflans-Sainte-Honorine, uma pequena cidade de 35 mil habitantes a 50 quilômetros de Paris.

A Procuradoria Nacional Antiterrorista abriu uma investigação por “assassinato em conexão com uma empreitada terrorista” e “associação criminosa terrorista”.

Macron dirigiu-se imediatamente ao local do ataque, acompanhado de seu ministro do Interior, Gérald Darmanin, que interrompeu uma viagem ao Marrocos e voltou a Paris. Também integrava a comitiva o ministro da Educação, Jean-Michel Blanquer.

Depois de se reunir com funcionários do colégio, Macron pediu “à nação inteira” que se una em torno dos professores para “protegê-los e defendê-los”.

“Todos nós estaremos juntos. Não passarão, o obscurantismo e a violência que o acompanha não vencerão”, afirmou Macron.

Comoção e incompreensão

O crime ocorreu por volta das 17h locais (12h de Brasília) desta sexta.

A polícia da cidade de Conflans Saint-Honorine foi alertada sobre a presença de um indivíduo suspeito que rondava uma escola, de acordo com a Procuradoria de Paris.

Ao chegar, os agentes encontraram a vítima decapitada a 200 metros da escola. Tentaram prender um homem que segurava uma faca, mas ele os ameaçou, o que levou os policiais a dispararem contra ele.

O atacante teria gritado “Alá é grande” antes de ser morto.

Choque e a incompreensão dominaram os moradores da cidade, segundo a AFP. Todos descreveram o bairro onde ocorreu o ataque como “tranquilo” e “sem incidentes”.

Polêmica na escola

Rodrigo Arenas, co-presidente da FCPE, a maior associação de pais de alunos, disse ter recebido um informe de “um pai extremamente irritado” depois que uma caricatura de Maomé foi mostrada em sala de aula.

O professor teria, segundo Arenas, “convidado os alunos muçulmanos a deixarem a sala” antes de mostrar a caricatura do profeta agachado, com uma estrela desenhada nas nádegas, e a legenda “nasce uma estrela”.

Segundo o pai de um aluno que estava em sala, e que disse que o professor não quis chocar algumas crianças, a sequência causou muita polêmica entre familiares dos estudantes.

Investigação

Segundo uma fonte judicial, a polícia encontrou um documento de identidade do agressor, segundo o qual ele teria nascido em 2002 em Moscou. Contudo, os investigadores ainda têm que fazer uma identificação formal.

Uma mensagem postada no Twitter, que mostra uma foto da cabeça da vítima, também é alvo de investigação. Ela foi publicada com uma mensagem dirigida ao presidente Emmanuel Macron, chamado de “o líder dos infiéis”. O autor do tuíte dizia que queria “executar” a pessoa que “se atreveu a menosprezar Maomé”.

‘Saudar a memória’ do professor

O ataque provocou uma onda de indignação na França. Na Assembleia Nacional, os deputados se levantaram para “saudar a memória” do professor e denunciar o “abominável ataque”.

Há apenas três semanas, duas pessoas ficaram feridas após um ataque realizado com um facão por um paquistanês de 25 anos próximo às antigas instalações do semanário satírico Charlie Hebdo.

O autor desse atentado islamita disse aos investigadores que queria vingar a republicação das charges de Maomé pelo Charlie Hebdo no início de setembro.

Foi com a mesma justificativa que a revista foi atacada em janeiro de 2015 por dois jihadistas, que fizeram um massacre, matando grande parte dos membros da redação, incluindo alguns dos mais famosos cartunistas da França.

Sob o título “Tout ça pour ça” (‘Tudo isso por isso’, em tradução livre), o Charlie Hebdo voltou a republicar os desenhos na ocasião do julgamento dos atentados de 2015, que estão em andamento em Paris.

Em resposta, milhares de manifestantes protestaram em várias cidades do Paquistão contra o Charlie Hebdo e a França.

A Al Qaeda também havia ameaçado atacar de novo a redação do Charlie Hebdo, que após os ataques de 2015 se mudou e mantém seu novo endereço em segredo.

Na noite desta sexta-feira, o semanário expressou pelo Twitter seu “horror e indignação depois de que um professor no exercício de sua profissão tenha sido assassinado por um fanático religioso”.

Desde a onda sem precedentes de atentados jihadistas que começou em 2015 na França e causou a morte de 258 pessoas, vários ataques foram perpetrados em todo o país.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.