Mundo

Primeiro-ministro de Israel afirma que ‘há data’ para ofensiva em Rafah

Netanyahu não especificou a data da invasão, mas reiterou os planos de ‘vitória contra o Hamas’

Benjamin Netanyahu (Foto: AFP)
Apoie Siga-nos no

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse nesta segunda-feira (8) que há uma data para a ofensiva contra Rafah, cidade no sul da Faixa de Gaza que Israel afirma ser o último reduto do movimento palestino Hamas

Netanyahu não especificou a data da invasão, mas reiterou que a vitória contra o Hamas “requer a entrada em Rafah e a eliminação dos batalhões terroristas que estão lá”. 

“Isso vai acontecer, há uma data”, afirmou em um vídeo.

Em Gaza, há quase 1,5 milhão de palestinos, muitos deles refugiados dos combates. 

Netanyahu falou em um momento em que as negociações de trégua, mediadas pelos Estados Unidos, Egito e Catar no Cairo, parecem estar avançando.

“Hoje recebi um relatório detalhado sobre as negociações no Cairo”, disse Netanyahu. “Estamos trabalhando o tempo todo para alcançar nossos objetivos, principalmente a libertação dos reféns e uma vitória completa contra o Hamas”.

A guerra começou em 7 de outubro, quando comandos do Hamas infiltrados a partir da Faixa de Gaza realizaram um ataque sem precedentes no sul de Israel, causando a morte de 1.170 pessoas, a maioria civis, segundo um balanço preparado pela AFP com base em dados oficiais israelenses. 

Em retaliação, Israel lançou uma ofensiva que deixou 33.207 mortos em Gaza, a maioria civis, segundo o Ministério da Saúde deste território palestino, governado pelo Hamas desde 2007.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo