Portugal volta a impor restrições para frear a Covid-19

'Estamos vendo uma piora da situação sanitária', disse o primeiro-ministro António Costa. 'É o momento adequado para adotar novas medidas'

Foto: Patrícia de Melo Moreira/AFP

Foto: Patrícia de Melo Moreira/AFP

Mundo

Portugal, país com um dos índices de vacinação contra a Covid-19 mais altos do mundo, anunciou nesta quinta-feira 25 uma série de medidas para conter o aumento dos contágios pela doença, incluindo uma semana de restrições após as festas de fim de ano.

 

 

“Estamos vendo uma piora da situação sanitária”, disse o primeiro-ministro português, António Costa, durante coletiva de imprensa após um conselho de ministros. “É o momento adequado para adotar novas medidas” porque “entramos em uma fase de risco elevado”.

A partir de 1º de dezembro, o governo recomenda o trabalho remoto, as máscaras voltarão a ser obrigatórias em ambientes fechados e o passaporte sanitário será exigido em restaurantes e hotéis.

Além disso, será exigido um exame negativo de Covid para ir a eventos culturais ou esportivos, visitar residências de idosos ou entrar em bares e boates.

Quanto às viagens, será exigido um exame negativo para os passageiros de todos os voos que têm Portugal como destino.

Após as festas de fim de ano, de 2 a 9 de janeiro, o trabalho remoto voltará a ser obrigatório, as férias escolares serão prorrogadas e bares e boates terão de fechar.

Apesar de ter 87% de sua população totalmente vacinada, Portugal observa um forte aumento de infecções por Covid-19.

Na quinta-feira, o país registrou 3.150 novos casos em 24 horas, segundo o último boletim das autoridades sanitárias, o nível mais alto em quase quatro meses.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem