Mundo

Poeta palestino Refaat Alareer morre em bombardeio israelense em Gaza

No início do conflito, o autor publicou um poema com o título “If I must die” (“Se eu devo morrer”): “Se eu devo morrer, que traga esperança, que seja um conto”

O poeta e professor Refaat Alareer. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O poeta palestino Refaat Alareer, uma figura importante de uma geração de autores de Gaza que escrevia em inglês para contar a história do território, morreu na quinta-feira em um bombardeio israelense, informaram amigos do artista.

“O assassinato de Refaat é trágico, doloroso e escandaloso. É uma perda imensa”, anunciou Ahmed Alnaoq, amigo do poeta, na rede social X.

“Meu coração está partido. Meu amigo e meu colega Refaat Alareer foi assassinado com sua família há alguns minutos”, escreveu no Facebook o poeta Mosab Abu Toha.

Professor de Literatura Inglesa na Universidade Islâmica de Gaza, Alareer foi um dos fundadores do projeto “We are not numbers” (“Nós não somos números”), que unia os autores de Gaza com “mentores” no exterior que os ajudavam a escrever em inglês sobre sua realidade.

Ele editou o livro “Gaza writes back”, uma compilação de crônicas sobre a vida no território escritas por jovens autores. Também publicou “Gaza unsilenced”.

Poucos dias após o início da ofensiva terrestre israelense, Alareer anunciou que se recusava a deixar o norte da Faixa, que era o epicentro dos combates.

Também publicou na rede social X um poema que viralizou, com o título “If I must die” (“Se eu devo morrer”): “Se eu devo morrer, que traga esperança, que seja um conto”, afirmam os últimos versos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.