Pobreza na Argentina atinge um terço da população urbana

O problema nas cidades afeta 8,9 milhões de argentinos e avança em paralelo à subida da inflação, que chegou a 47,6% no ano passado

Macri (Foto: AFP)

Macri (Foto: AFP)

Mundo

A inflação elevada e a recessão econômica na Argentina elevaram o índice de pobreza do país para 32% no segundo semestre de 2018, uma alta de 4,7 pontos percentuais ante a primeira metade do ano, mostraram dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec) nesta quinta-feira 28.

Trata-se do número mais alto desde a crise econômica de 2001.

Na comparação com o segundo semestre de 2017, a pobreza urbana cresceu 6,3 pontos percentuais no país. São 8,9 milhões de argentinos vivendo nessa situação.

Além disso, 6,7% da população, ou 1,8 milhão de argentinos, vive abaixo do nível de indigência, um crescimento de 1,8 ponto percentual ante o semestre anterior.

São números que “doem”, admitiu o governo argentino. “A pobreza dói, claramente. Hoje é um dia triste, como foi ontem, como foi um ano atrás, porque lamentavelmente a pobreza é alta na Argentina há muitos anos”, disse a ministra de Desenvolvimento Social, Carolina Stanley.

Leia também: Nexo interno-externo da crise argentina: o essencial é visível aos olhos

Stanley afirmou que o governo do presidente Mauricio Macri, que chegou à Presidência no fim de 2015 com promessas de “pobreza zero”, trabalha “todos os dias para reverter essa situação” com ações focadas em dar “dignidade” a “cada uma das pessoas e cada uma das famílias que vivem assim”.

Os argentinos revivem o pesadelo da Era Menem (Foto: AFP)

Um grupo de sindicalistas se manifestou às portas do Indec para protestar contra a política econômica de Macri e distribuiu 500 quilos de pão de graça, rejeitando simbolicamente o aumento da pobreza.

O empobrecimento da população coincide com a aceleração da inflação, que encarece a cesta básica e serviços utilizados para medir a linha de indigência e pobreza. O índice de preços ao consumidor acumulou alta de 47,6% na Argentina no ano passado, maior avanço em 27 anos, diante de uma queda de 2,5% do Produto Interno Bruto.

Para calcular as cifras, o Indec leva em consideração o nível de vida nos 31 centros urbanos mais povoados do país, o que abrange 27,8 milhões de habitantes. A Argentina tem mais de 40 milhões de moradores.

Leia também: O Mercosul de Macri e Temer e a continuidade do atraso

O relatório publicado nesta quinta é o sexto sobre pobreza realizado pelo Indec desde que Macri chegou ao poder. Além disso, esta é a segunda vez nos últimos três anos que o instituto registra uma alta no índice de pobreza.

Apesar disso, Macri, que pode disputar a reeleição em outubro, assegurou na quarta-feira à mídia local que o governo “está no caminho correto”.

“Sou o primeiro a saber que todos tiveram que ajustar seu orçamento, que custa mais chegar ao fim do mês, mas este é o caminho da construção sobre bases sólidas”, disse.

Para encarar a crise econômica, Macri fez um acordo com o Fundo Monetário Internacional para um empréstimo de 57 bilhões de dólares e se comprometeu a realizar um ajuste que permita ao país encerrar o ano em equilíbrio fiscal.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

Compartilhar postagem