Mundo

Países atualizam metas de redução de carbono na Cúpula do Clima; confira

Contrariando as diretrizes ambientais que marcam o governo de Jair Bolsonaro até aqui, o Brasil também sinalizou uma correção de rota

(Foto: POOL / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / GETTY IMAGES VIA AFP)
(Foto: POOL / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / GETTY IMAGES VIA AFP)
Apoie Siga-nos no

No primeiro dia da Cúpula de Líderes sobre as Mudanças Climáticas, nesta quinta-feira 22, líderes mundiais anunciaram novas metas de redução de carbono.

O presidente americano Joe Biden anunciou que os EUA reduzirá as emissões de gases do efeito estufa entre 50% e 52% até 2030, na comparação com os níveis 2005.

Também surgiram discursos em relação à urgência de transformar a lógica da produção energética. Xi Jinping, presidente da China, manteve a meta de atingir a neutralidade de carbono até 2060 e não atualizou os números para 2030, mas afirmou que o país, que é o mais poluidor do mundo, irá reduzir o uso de carvão na geração de energia.

Contrariando as diretrizes ambientais que marcam o governo de Jair Bolsonaro até aqui, o Brasil também sinalizou uma correção de rota. O presidente prometeu que o Brasil alcançará a neutralidade de carbono até 2050, reduzindo em 10 anos a sinalização anterior. Também se comprometeu a eliminar o desmatamento ilegal até 2030.

O clima, avaliam especialistas, é de ceticismo. Em um gesto controverso, o presidente americano Joe Biden se retirou na sala enquanto Bolsonaro discursava. Nesse meio tempo, publicou no Twitter um post sobre o Dia da Terra.

Ásia e Europa

Vladimir Putin, presidente da Rússia, anunciou que o país irá atingir neutralidade em carbono até 2025 – uma meta mais ambiciosa do que a estabelecida por outros países, que miram 2050. Putin não mencionou em seus cálculos, entretanto, a quantidade de carbono a ser derrubada em seu cálculo.

Yoshihide Suga, primeiro ministro do Japão, prometeu redução de carbono em 46% até 2030. O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, afirmou que o país está comprometido a aprovar uma lei para reduzir as emissões em 78% até 2035. E a chanceler alemã Angela Merkel anunciou que a Alemanha irá reduzir cerca de 55% das emissões até 2030.

Uma das metas mais ambiciosas anunciadas foi a do primeiro-ministro da Coreia do Sul, Moon Jae-In, que afirmou que o país não ira mais financiar usinas de carvão no exterior. A queda nas emissões até 2030 foi estimada em menos 34% de carbono em comparação aos níveis emitidos em 2005.

Em seu discurso, a presidente da Comissão Europeia, Ursula Van der Leyen, afirmou que sentia-se “feliz” por ter os “Estados Unidos de volta à discussão do clima”. A redução anunciada para o bloco europeu foi de 55% até o fim da década.

Giovanna Galvani

Giovanna Galvani É repórter do site de CartaCapital.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.