Mundo

assine e leia

Os donos da rua

As gangues controlam a capital, impõem a renúncia do primeiro-ministro e vão decidir o futuro político do país

Terra de ninguém. Os criminosos espalham o terror. Henry pretendia burlar um acordo de 2022 e prolongar o mandato, mas caiu – Imagem: Clarens Siffroy/AFP e Redes sociais
Apoie Siga-nos no

Impedido de voltar ao país, o primeiro-ministro do Haiti, Ariel Henry, não resistiu às pressões, internas e externas, e apresentou na segunda-feira 11 sua renúncia. De Porto Rico, onde está “exilado” desde 5 de março, Henry fez um discurso à nação por meio das redes sociais. “Nenhum sacrifício é grande demais”, afirmou. “Quero agradecer ao povo haitiano pela oportunidade que me deu de servir com integridade, sabedoria e honestidade. Precisamos de paz, estabilidade, desenvolvimento duradouro”. A entrega formal do poder, avançou o premier, se dará após a conclusão de “assuntos atuais”, a criação de um conselho de transição e nomeação de um chefe interino de governo.

Paz e estabilidade é tudo o que Henry não deve, nem nunca pode oferecer. Ao contrário. A onda de violência e as guerras de gangues começaram em 28 de fevereiro, em resposta à tentativa do primeiro-ministro de permanecer no poder até 2025, contra um acordo firmado pelas principais forças políticas em 2022, que previa eleições gerais no mês passado. Os haitianos não votam desde 2016. Não há um Parlamento, muito menos um presidente da República. O último chefe de Estado foi Jovenel Moise, assassinado em 2021 por mercenários colombianos. Na mesma segunda-feira da renúncia de Henry, em comunicado, o Conselho de Segurança das Nações Unidas havia apelado a “negociações significativas em prol de eleições livres e justas e a restauração das instituições democráticas o mais rapidamente possível”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo