Mundo

Mujica defende eleições totais na Venezuela

Para ele, a proposta ‘louca’ deveria ser tutelada pela ONU e seria forma de evitar uma guerra

Apoie Siga-nos no

O ex-presidente uruguaio José Mujica disse nesta segunda-feira 28 ser favorável a uma convocação a “eleições totais” na Venezuela sob a tutela das Nações Unidas, que “bem ou mal seriam uma saída” à crise no país caribenho.

“Como está a situação (na Venezuela), por mais louca que pareça a proposta de eleições totais feita pela Europa, reconhecendo que atropela a soberania e a autodeterminação – mas, repito, no mundo de hoje isso não existe para países que têm muito petróleo -, bem ou mal (a convocação) seria uma saída”, declarou de forma surpreendente o ex-presidente de esquerda, muito próximo ao falecido governante venezuelano Hugo Chávez.

A essas eleições “deveriam somar um monitoramento com garantias das Nações Unidas”, acrescentou.

No sábado, as potências europeias deram um ultimato de oito dias a Nicolás Maduro para convocar eleições, sob pena de reconhecer o presidente do Parlamento, Juan Guaidó, como presidente interino.

Mujica disse ser partidário da postura do governo uruguaio de Tabaré Vázquez de promover o diálogo na Venezuela, ao qual se somou o governo de Andrés Manuel López Obrador no México. Montevidéu enviou representantes à posse de Maduro para um segundo mandato de seis anos em 10 de janeiro, em meio a fortes críticas da oposição política.

Leia também: Disputadas, Forças Armadas podem decidir crise venezuelana

“Estão soando fortes tambores de guerra no Caribe pela situação venezuelana e devemos recordar que nas guerras, em geral, morrem os que não têm responsabilidades”, sustentou Mujica.

“Por trás da guerra sempre movem interesses. A verdade, crua, dura, real, é que o mais conservador dos Estados Unidos não pode aceitar que a China acabe manejando o destino do petróleo venezuelano. Essa é a causa profunda da impaciência” de Washington, afirmou o ex-guerrilheiro.

Nesta segunda-feira, os Estados Unidos anunciaram sanções contra a estatal petroleira Pdvsa.

Sobre Guaidó, sustentou que “o presidente autoproclamado ou é muito jovem ou tem certeza que terá o respaldo do Exército dos Estados Unidos”.

Leia também: Entenda como a crise na Venezuela chegou aos seus piores dias

Mujica arriscou propor como saída à crise uma “espécie de junta executiva onde estivessem todas as tendências, mas fortemente monitoradas e garantidas pelas Nações Unidas”.

“Não vejo outro caminho que dê garantias”, concluiu.

Em meio às tensões houve protestos e tumultos que deixaram 35 mortos e 850 detidos na última semana na Venezuela.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo