Monumento que homenageia o império colonial português é atacado em Lisboa

Estátua foi construída em 1960 pelo regime fascista e colonialista do ditador Antonio Oliveira Salazar

Créditos: Pixabay

Créditos: Pixabay

Mundo

Um monumento em memória dos navegadores que construíram o império colonial português foi atacado em Lisboa, com palavras que denunciam o caráter sangrento das descobertas do século XVI, anunciou a polícia nesta terça-feira 10.

 

 

A polícia judicial informou em um comunicado que há uma suspeita de nacionalidade “estrangeira” que já “teria cometido atos semelhantes em outros lugares” e “foi embora do território” português.

A base do monumento de cerca de 50 metros de altura, erguido na orla do estuário do Tejo, foi manchada com tinta azul e vermelha e com uma frase em inglês: “Navegando cegamente por dinheiro, a humanidade se afoga em um mar de cor escarlate”.

Construído em 1960 pelo regime fascista e colonialista do ditador Antonio Oliveira Salazar, o monumento reúne as estátuas de figuras históricas que participaram da expansão colonial portuguesa.

No ano passado, uma polêmica estátua de um missionário católico português do século XVII, que participou da conversão de indígenas do Brasil durante o período colonial, foi vandalizada em Lisboa.

O passado colonial de Portugal, que fez várias guerras para conservar territórios na África até a Revolução dos Cravos de 1974, é um alvo frequente de polêmicas.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem