Manifestações contra a “cultura do estupro” ganham as ruas da França

Nomeação de ministro acusado de violência sexual irritou feministas francesas

Manifestantes protestam contra nomeação de ministro acusado de estupro na França. Foto: LOIC VENANCE/AFP

Manifestantes protestam contra nomeação de ministro acusado de estupro na França. Foto: LOIC VENANCE/AFP

Mundo

A França teve mais um dia de protestos nesta sexta-feira 10 para denunciar “a cultura do estupro em marcha”, num trocadilho com o nome do partido do presidente, Emmanuel Macron, La République en Marche. Milhares de manifestantes se reuniram em várias cidades do país contra a presença no governo de Gérald Darmanin, acusado de estupro, e de Eric Dupond-Moretti, crítico do Movimento #MeToo.

“Estamos aqui para exigir a renúncia de parte do governo. Quando soube dessas nomeações, eu chorei, pois fui vítima de estupro. É um insulto, tanto para mim quanto para todas as vítimas”, disse Anouck Lagarrige, de 22 anos, em frente ao tribunal de Toulouse, no sul do país. “A igualdade de gênero deveria ser um grande debate desse quinquênio, mas está completamente enterrada”, lamentou, ao lado de outras 300 pessoas.

A nomeação de um ministro acusado de estupro e de outro que se tornou célebre por defender acusados de proxenetismo, pedofilia e agressões sexuais irritou as feministas francesas.

Houve protestos, também, em Lille, no norte do país, e em Saint-Etienne, no sudeste. Entre os cartazes carregados pelos manifestantes, principalmente mulheres, havia mensagens como: “Bem-vindo ao ministério do estupro”, “Estupradores na prisão, não no governo”, “Reformulação da vergonha ” e ” Stop impunity”.

“A presunção de inocência é facilmente brandida quando afeta homens, heterossexuais e brancos. Se amanhã algum de nós admitir ser acusado ​​de estupro durante uma entrevista de emprego, duvido que tenha o trabalho “, observou Alain Ranaivonjatovo, um funcionário público de 26 anos que também se manifestou em Toulouse.

“Há meses todo mundo tenta fazer as coisas acontecerem, mas está ficando cada vez pior, nosso Ministro do Interior é acusado de estupro, é uma loucura “, denuncia Lara, que participou do protesto em Lille.

Em Nantes, na Bretanha, cerca de 700 pessoas participaram da manifestação, de acordo com a prefeitura. Em Lyon, eram 500 manifestantes.

Em Grenoble, um caixão preto, no qual estava inscrito “RIP, a grande causa do quinquênio”, Igualdade Mulheres-homens, foi simbolicamente colocado em frente à entrada do Palácio da Justiça.

Paris também atendeu ao chamado feminista

Cerca de mil pessoas se reuniram diante do Hôtel de Ville, em Paris, a sede da prefeitura da capital francesa, atendendo ao chamado do coletivo feminista #NousToutes (Nós Todas).

“A nomeação de Darmanin é um cuspe na boca de todas as vítimas”, disse Nollaïg, estudante de 24 anos. “Esse tipo de protesto vai acordar as pessoas”, ela espera.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem