Macron pede urgência no G7 sobre Amazônia: “crise internacional”

Presidente francês diz que queimadas na Amazônia serão prioridade no encontro, que começa no próximo sábado 24

Foto: ERIC GAILLARD / POOL / AFP

Foto: ERIC GAILLARD / POOL / AFP

Mundo

O presidente francês Emmanuel Macron convocou, nesta quinta-feira 22, os membros dos países ricos para discutirem as queimadas da Amazônia no encontro do G7, que acontece nesse final de semana na cidade de Biarritz, na França. O G7 é um encontro anual dos líderes da Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, as nações mais ricas do mundo.

“Nossa casa está queimando. Literalmente. A Floresta Amazônica – os pulmões que produzem 20% do oxigênio do nosso planeta – está pegando fogo. É uma crise internacional. Membros do encontro do G7, vamos discutir essa emergência com prioridade em dois dias!”, escreveu Macron com uma hashtag #AjaPelaAmazônia escrita em seguida.

Essa não é a primeira vez que o presidente francês confronta Jair Bolsonaro em relação às políticas ambientais brasileiras. No encontro da cúpula do G20 – que reúne os 20 países com as maiores economias do mundo – em junho, Macron afirmou que a França não assinaria o recém-nascido acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul se o Brasil não se comprometesse com o Acordo de Paris, firmado em 2015. Para entrar em vigor, o parlamento europeu e os legislativos de todos os países envolvidos precisam ratificar o acordo, o que ainda não tem data para acontecer.

Na época, Jair Bolsonaro rebateu e afirmou que não tinha a intenção de sair do Acordo. Além disso, “convidou” Emmanuel Macron para ‘explorar a Amazônia‘ com ele.

“Olha, de Boa Vista a Manaus são mais ou menos duas horas de voo, tu olha pra baixo e não vê nada de degradado no tocante ao meio ambiente. […] Nem quero comparar com a Europa, que não tem mais nada. […] Enquanto eu for presidente, a Amazônia é nossa. Nós pretendemos explorar de forma racional. Convido-o a explorar a Amazônia conosco”, relatou o presidente na ocasião, adicionando que também mencionou o assunto à Angela Merkel, primeira-ministra alemã.

Merkel é outra da lista de desafetos do governo federal que também estará em Quebec a partir de sábado. Recentemente, o país barrou o aporte financeiro destinado ao Fundo Amazônia, uma quantia de 35 milhões de euros, ou 155 milhões de reais que seriam destinados para projetos de preservação da região.

Em resposta, Jair Bolsonaro disse que o Brasil não precisava do dinheiro. “Investir? Ela não vai comprar a Amazônia. Vai deixar de comprar a prestação a Amazônia. Pode fazer bom uso dessa grana. O Brasil não precisa disso”, afirmou.

Bolsonaro responde

No início da noite desta quinta, o presidente Jair Bolsonaro se pronunciou sobre o assunto em sua conta no Twitter. Em tom comedido, lamentou que Macron “busque instrumentalizar uma questão interna do Brasil e de outros países amazônicos para ganhos políticos pessoais”. Por fim, disse que o governo brasileiro “segue aberto ao diálogo, com base em dados objetivos e no respeito mútuo”.

*Erramos: A reunião da cúpula do G7 será em Biarritz, na França, e não em Quebec.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem