Mundo

Lula vai a Paris no final de junho para se reunir com Macron

Um dia antes das atividades na França, o petista se encontrará com o Papa Francisco no Vaticano

Os presidentes do Brasil e da França, Lula e Emmanuel Macron, no G7. Foto: Ricardo Stuckert/PR
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) visitará Paris em 22 e 23 de junho para cumprir uma agenda que incluirá uma reunião com so presidente francês, Emmanuel Macron, indicou à AFP a assessoria presidencial do Planalto.

Lula e Macron já se encontraram na cúpula do G7, em Hiroshima, em 20 de maio, quando conversaram sobre a cooperação bilateral em defesa e a ampliação de intercâmbios “no campo cultural”, além da guerra da Rússia na Ucrânia, segundo a Presidência do Brasil.

Em conversa telefônica em janeiro, Lula convidou Macron a visitar o País e conhecer, no Rio de Janeiro, o estaleiro onde é construído um submarino a propulsão nuclear, fruto da cooperação entre os dois países. Até agora, a Presidência francesa não anunciou qualquer data de viagem ao Brasil.

O retorno de Lula ao poder, em janeiro, reatou os laços entre o Brasil e a França. Macron e o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) não tiveram boas relações, especialmente pela criticada gestão do ex-capitão na proteção da Amazônia, considerada um recurso-chave na corrida para conter a mudança climática.

Um dia antes das atividades de Lula em Paris, o presidente se encontrará com o Papa Francisco no Vaticano, confirmou a assessoria presidencial.

Francisco e Lula conversaram na quarta-feira por telefone sobre a defesa da paz na Ucrânia e o combate à pobreza, em um diálogo no qual o mandatário brasileiro convidou o pontífice a visitar o País.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo