Mundo

Milhares vão às ruas na Espanha em defesa de Pedro Sánchez e contra renúncia; veja imagens

A mobilização ocorre a menos de 48 horas de o chefe de Governo anunciar sua decisão

Apoiadores de Pedro Sánchez em manifestação em Madrid, em 27 de abril de 2024. Foto: Oscar Del Pozo/AFP
Apoie Siga-nos no

Milhares de apoiadores nas ruas e a direção do Partido Socialista Operário Espanhol, o PSOE, apelaram neste sábado 27 para que o chefe de Governo da Espanha, Pedro Sánchez, não renuncie ao cargo, menos de 48 horas antes do anúncio de sua decisão.

No terceiro dia de silêncio do líder socialista, 12.500 pessoas, segundo as autoridades de Madri, participaram de uma mobilização e entoaram gritos como a “Espanha precisa de você”. Os manifestantes se reuniram em frente à sede do PSOE na capital espanhola.

De maneira surpreendente, Sánchez divulgou na última quarta-feira 24, em uma carta, o cancelamento de todos os seus compromissos públicos até a segunda 29, quando anunciará se deixará o cargo, irritado com os ataques da oposição contra sua esposa, Begoña Gómez, por uma suposta relação profissional com empresas que receberam ajuda pública.

“Espero que Sánchez diga na segunda-feira que vai continuar”, afirmou à agência AFP Sara Domínguez, de 30 anos, que trabalha em uma empresa de consultoria. Ela disse que o atual governo tomou medidas “muito boas para as mulheres, as pessoas LGBT, as minorias”.

“Se ele sair, há possibilidades de que a extrema-direita governe, e isso nos faria retroceder em direitos e liberdades”, reforçou José María Díez, um funcionário público de 44 anos.

Na sede do PSOE, os principais dirigentes, incluindo ministros e presidentes regionais, pediram a Sánchez que não abandone o posto.

O anúncio da última quarta surgiu horas depois de um juiz aceitar um pedido para investigar a esposa de Sánchez por suspeitas de tráfico de influência e corrupção, após uma denúncia apresentada por organização ligada à extrema-direita.

O Ministério Público pediu o arquivamento da denúncia.

Não há pistas sobre o que Sánchez decidirá, mas analistas mencionam a possibilidade de que ele não renuncie e convoque uma moção de confiança para que o Congresso reitere o seu apoio. Em caso de renúncia, a Espanha poderia seguir para novas eleições gerais.

Veja imagens da manifestação deste sábado em Madrid:

Foto: Oscar Del Pozo/AFP

Foto: Oscar Del Pozo/AFP

Foto: Oscar Del Pozo/AFP

Foto: Oscar Del Pozo/AFP

Foto: Oscar Del Pozo/AFP

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo