Mundo

Israel x Irã: chanceler diz que o Itamaraty publicou nota quando extensão do ataque não era clara

Mauro Vieira afirmou nesta segunda que o Brasil condena ‘qualquer ato de violência’

O chanceler Mauro Vieira em reunião do G20, no Rio de Janeiro, em 21 de fevereiro de 2024. Foto: Mauro Pimentel/AFP
Apoie Siga-nos no

O chanceler Mauro Vieira afirmou nesta segunda-feira 15 que a manifestação do Itamaraty sobre o ataque do Irã contra Israel veio à tona “quando o movimento começou”, ou seja, quando ainda não havia clareza sobre a extensão da ofensiva.

A nota, publicada às 23h do último sábado 13, dizia que o governo brasileiro “acompanha, com grave preocupação, relatos de envio de drones e mísseis do Irã em direção a Israel, deixando em alerta países vizinhos como Jordânia e Síria”. Também apelava “a todas as partes envolvidas que exerçam máxima contenção e conclama a comunidade internacional a mobilizar esforços no sentido de evitar uma escalada”.

“Nós manifestamos o temor de que o assunto, o início da operação, pudesse contaminar outros países. Isso foi feito à noite, num momento em que não tínhamos claros a extensão e o alcance das medidas tomadas. E sempre fizemos um apelo para contenção e entendimento entre as partes”, disse Vieira, nesta segunda, em uma entrevista coletiva ao lado da chanceler da Argentina, Diana Mondino.

Na sequência, ele foi questionado diretamente se condenava o ataque iraniano. “O Brasil condena sempre qualquer ato de violência, e o Brasil conclama sempre ao entendimento entre as partes”, respondeu.

O que aconteceu:

  • neste fim de semana, o Irã lançou mais de 300 mísseis e drones em direção a Israel, em retaliação ao bombardeio contra a embaixada iraniana na Síria em 1º de abril, atribuído a Tel Aviv;
  • de acordo com as Forças de Defesa de Israel, 99% do ataque foi interceptado, mas alguns mísseis caíram no território;
  • agora, cresce o temor na comunidade internacional de uma “tréplica” de Israel, com o potencial de colocar em risco grande parte da região.

Leia a íntegra da nota divulgada no sábado pelo Itamaraty:

“O Governo brasileiro acompanha, com grave preocupação, relatos de envio de drones e mísseis do Irã em direção a Israel, deixando em alerta países vizinhos como Jordânia e Síria.

Desde o início do conflito em curso na Faixa de Gaza, o Governo brasileiro vem alertando sobre o potencial destrutivo do alastramento das hostilidades à Cisjordânia e para outros países, como Líbano, Síria, Iêmen e, agora, o Irã.

O Brasil apela a todas as partes envolvidas que exerçam máxima contenção e conclama a comunidade internacional a mobilizar esforços no sentido de evitar uma escalada.

Em vista dos últimos acontecimentos no Oriente Médio, o Ministério das Relações Exteriores orienta os brasileiros que evitem viagens não essenciais à região, em particular a Israel, Palestina, Líbano, Síria, Jordânia, Iraque e Irã e que os nacionais que já estejam naqueles países sigam as orientações divulgadas nos sítios eletrônicos e mídias sociais das embaixadas brasileiras.

O Itamaraty vem monitorando a situação dos brasileiros na região, em particular em Israel, Palestina e Líbano desde outubro passado”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo