Mundo

Indígenas peruanos manifestam-se pelo fim dos assassinatos na Amazônia

A manifestação, da qual participou uma centena de indígenas da serra andina, Floresta Amazônica e costa peruana, percorreu as ruas de dois distritos do sul da capital peruana

Foto: Kenzo Tribouillard/AFP
Foto: Kenzo Tribouillard/AFP
Apoie Siga-nos no

Aos gritos de “O sangue derramado nunca será esquecido!”, indígenas peruanos saíram em passeata na sexta-feira em Lima para exigir proteção para a terra e a água, e se solidarizar com o Brasil, após o assassinato de um jornalista britânico e um indigenista brasileiro na Amazônia brasileira.

A manifestação, da qual participou uma centena de indígenas da serra andina, Floresta Amazônica e costa peruana, percorreu as ruas de dois distritos do sul da capital peruana.

Os indígenas manifestaram-se em frente à sede do Ministério da Justiça, no distrito de Miraflores, e depois caminharam quase três quilômetros até o prédio do Ministério do Interior, no município vizinho de San Isidro, onde reiteraram suas demandas.

“Nos deixa indignados que nossos territórios estejam hipotecados pelas mineradoras. Estamos na porta do Ministério do Interior porque o governo não nos ouve”, disse a aymara Margarita Atencio Mamani. “Nosso Lago Titicaca (compartilhado por Peru e Bolívia) está muito poluído”, lamentou a indígena, 49.

Alvos frequentes

Os manifestantes denunciaram que os defensores do meio ambiente na Amazônia são alvos frequentes de ataques. Dezenove deles foram assassinados nos últimos dois anos no Peru, segundo ONGs.

“O país ocupa o nono lugar entre os países com o maior número de ataques registrados contra defensores do meio ambiente no mundo”, apontou a ONG Direito, Ambiente e Recursos Naturais (DAR). “A violência contra os defensores do meio ambiente e dos direitos humanos está fora de controle em nível nacional”, acrescentou.

A líder amazônica awajún Agustina Mayan, 44, disse que não se pode “permitir que continuem assassinando” ativistas na Amazônia. “Nós nos solidarizamos com o Brasil”, acrescentou, após o assassinato do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista brasileiro Bruno Pereira.

“A Amazônia corre muito perigo com o corte de madeira e a contaminação da água e do meio ambiente em geral”, advertiu Arthur Cruz Ochoa, líder da comunidade indígena de Maynas Punchana, na região de selva de Loreto.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.