Educação

Geração inédita de cotistas revoluciona sociedade brasileira, afirma Le Monde

Em uma década, o número de estudantes negros nas universidades brasileiras deu um salto de 400%, destaca o jornal

Concentração de ato organizado pela Marcha das Mulheres Negras contra o racismo, o machismo, o genocídio e a lesbofobia, na praça Roosevelt, região central da capital paulista (Rovena Rosa/Agência Brasil)
Apoie Siga-nos no

O jornal francês Le Monde Diplomatique desta quarta-feira 9 traz uma reportagem sobre os resultados de um sistema aplicado a partir de 2012 nas universidades federais brasileiras. “No Brasil, as cotas raciais fizeram ascender uma geração de negros graduados” é o título do texto assinado pelo correspondente do diário no Rio de Janeiro, Bruno Meyerfeld.

Estabelecido durante o governo da presidenta Dilma Rousseff, o mecanismo que favoreceu grupos até então mantidos à distância dos estudos superiores se espalhou na maior parte dos estabelecimentos de educação, públicos ou privados, diz a matéria. O resultado é que em uma década, o número de estudantes negros nas universidades brasileiras deu um salto de 400%, publica Le Monde.

Meyerfeld entrevistou jovens que puderam se beneficiar do sistema, como a carioca Layla Vitorio Peçanha, negra, filha de um eletricista e de uma empregada doméstica, que estudou Ciências Sociais na Universidade Federal do Rio de Janeiro, e hoje termina um mestrado em Saúde Pública. Segundo ela, antes que o sistema de cotas entrasse em vigor, para ela – uma pessoa originária de um bairro pobre do Rio – entrar na universidade era como “ir à lua”.

“Antes minoritários, hoje estudantes negros representam a metade dos estudantes do ensino superior”, destaca Le Monde. A reportagem lembra que, em um Brasil marcado por três séculos de escravidão, apesar de a população negra ser majoritária, ela continuou, até o início da última década, excluída das universidades e dos melhores empregos. “As cotas originaram uma geração inédita, chamada de ‘cotistas’, que revoluciona hoje os fundamentos da sociedade brasileira”, reitera Le Monde.

O texto traz exemplos dessas mudanças em vários setores, da Justiça à Medicina. Em entrevista ao diário, Renato Emerson Nascimento dos Santos, professor de geografia na UFRJ, lembra que as cotas permitiram uma ascensão social inédita, resultando na formação de profissionais negros em meios extremamente fechados, como o da dermatologia, por exemplo.

Os “ventos da mudança” também passam pela política. Na Câmara de Deputados, um quarto dos assentos são ocupados por não brancos – algo inimaginável há dez anos.

Além disso, as cotas resultam em uma “afirmação positiva da identidade negra”, diz a reportagem. Nos balanços oficiais, 55% da população brasileira se assume hoje como negra, uma proporção em aumento constante.

Racismo persiste

Le Monde aponta, no entanto, que o sistema não resolveu o grave problema do racismo no Brasil, “onipresente nas formações de elite”. O mandato do ex-presidente Jair Bolsonaro “só piorou as coisas”, reitera o texto, lembrando que o líder da extrema direita, abertamente contra cotas, cortou orçamento e bolsas nas universidades públicas.

A volta de Lula ao poder inspira esperança na população negra brasileira, diz Le Monde. Em seus dois primeiros mandatos, Lula tornou obrigatório o ensino da cultura afro-brasileira, publicou um estatuto de igualdade racial e encorajou o reconhecimento dos quilombos. Recentemente, assinou um decreto visando reservar aos negros ao menos 30% dos empregos no funcionalismo até 2025.

A matéria também lembra que o líder petista nomeou representantes não brancos para ministérios, como a cantora Margareth Menezes para a pasta de Cultura e o advogado Silvio Almeida para a pasta de Direitos Humanos e Cidadania.

Mas há um longo caminho a ser percorrido, observa Le Monde. Os cotistas esperam que medidas também sejam aplicadas nas empresas privadas, onde apenas 0,7% dos cargos de direção são ocupados por pessoas não brancas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo