Mundo

G7 faz apelo para ‘impedir nova escalada’ após explosões no Irã

O grupo, reunido em Capri, na Itália, modificou a pauta de reuniões do dia para incluir o conflito entre Israel e Irã nos tópicos de discussões

Irã x Israel: cresce a tensão no Oriente Médio. Foto: ATTA KENARE / AFP
Apoie Siga-nos no

Os ministros das Relações Exteriores do G7 pediram nesta sexta-feira (19) a “todas as partes” que “impeçam uma nova escalada” no Oriente Médio após as explosões que abalaram o Irã nesta sexta-feira (19).

“À luz dos ataques de 19 de abril, pedimos a todas as partes que trabalhem para evitar uma nova escalada. O G7 continuará trabalhando nesta direção”, afirmaram os representantes das sete grandes potências industrializadas em um comunicado, no final de um encontro na ilha italiana de Capri.

O chanceler italiano, Antonio Tajani, cujo país preside este fórum político e econômico este ano, declarou em uma coletiva de imprensa que a agenda da reunião desta sexta-feira de manhã foi modificada para incluir as explosões no Irã.

“O G7 está trabalhando para conseguir uma desescalada”, disse ele, acrescentando que “os Estados Unidos foram informados no último minuto” dos ataques. O Irã “reabriu seu espaço aéreo”, disse ele.

Várias explosões abalaram nesta sexta-feira o centro do Irã, no que as autoridades americanas apresentaram como um ataque israelense em retaliação aos drones e mísseis disparados por Teerã contra Israel no sábado passado.

A agência de notícias iraniana Tasnim, citando “fontes bem informadas”, negou por sua vez que o país tenha sofrido um ataque “do exterior”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo