Atentado suicida deixa 33 mortos em mesquita xiita no Afeganistão

A explosão aconteceu durante a oração do meio-dia, momento em que muitas pessoas se reúnem para rezar

Homens inspecionam mesquita xiita na cidade de Kandahar após o ataque que deixou 33 mortos.

Foto: JAVED TANVEER/AFP

Homens inspecionam mesquita xiita na cidade de Kandahar após o ataque que deixou 33 mortos. Foto: JAVED TANVEER/AFP

Mundo

Um atentado suicida em uma mesquita xiita na cidade de Kandahar, sul do Afeganistão, deixou pelo menos 33 mortos e 74 feridos, informaram fontes médicas e do governo Talibã à AFP.

O ataque aconteceu uma semana depois de um atentado suicida contra fiéis na cidade de Kunduz, no norte do país, reivindicado pelo grupo Estado Islâmico.

No caso do atentado em Kandahar, reduto histórico dos talebans, nenhum grupo reivindicou as explosões até o momento.

“Nossas informações iniciais mostram que um homem-bomba detonou seus explosivos dentro da mesquita”, afirmou à AFP uma fonte governo local taleban, que pediu anonimato.

Um médico do hospital central Mirwais de Kandahar afirmou que “33 corpos e 74 feridos foram transportados” para o estabelecimento.

“Estamos sobrecarregados”, declarou o médico. “Há muitos corpos e pessoas feridas em nosso hospital. Esperamos a chegada de mais pessoas. Precisamos de doação de sangue com urgência. Apelamos a todos os meios de comunicação em Kandahar para que peçam às pessoas que venham e doem sangue”, acrescentou.

Uma testemunha contou à AFP que ouviu três explosões, uma na porta principal da mesquita, outra na área sul e a terceira no local onde os fiéis se lavam.

Outra testemunha também relatou três explosões na mesquita, localizada no centro da cidade, no momento da oração do meio-dia de sexta-feira, dia de descanso para os muçulmanos, quando muitas pessoas se reúnem para orar.

O porta-voz do ministério do Interior, Qari Sayed Khosti, tuitou: “Estamos tristes ao saber que houve uma explosão em uma mesquita da irmandade xiita no primeiro distrito da cidade de Kandahar, na qual vários de nossos compatriotas foram martirizados e feridos”.

Muitos fiéis

De acordo com um jornalista da AFP, a mesquita estava lotada de pessoas quando as explosões ocorreram e pelo menos 15 ambulâncias foram enviadas para o local.

Imagens postadas nas redes sociais, cuja autenticidade não pôde ser verificada imediatamente, mostravam corpos caídos no chão da mesquita de Fatemieh.

Na sexta-feira passada, o Estado Islâmico-Khorasan (ISIS-K) assumiu a responsabilidade por um ataque a uma mesquita xiita em Kunduz que deixou pelo menos 60 mortos. Foi o ataque mais mortal desde que as tropas americanas deixaram o país, em 30 de agosto.

O ISIS-K é um rival do movimento islâmico taleban, embora ambos sejam sunitas. De acordo com a empresa de análise de conflitos ExTrac, com sede no Reino Unido, o ataque desta sexta-feira seria o primeiro atentado do ISIS-K em Kandahar.

O Taleban, que tem seu próprio histórico de perseguição aos xiitas, voltou ao poder no Afeganistão em 15 de agosto e, desde então, fez da segurança sua prioridade, após vinte anos de guerra.

Os xiitas representam cerca de 10% da população afegã. Muitos deles são hazaras, etnia perseguida há décadas no país.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem