Mundo

Evo fraudou as eleições na Bolívia? Os números dizem que não

Segundo cientistas eleitorais do MIT, a vitória em primeiro turno do ex-presidente seguiu padrões estatísticos normais

O ex-presidente boliviano Evo Morales. Foto: Bertand Langlois/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Evo Morales, da Bolívia, foi derrubado por tentar um quarto mandato às custas de fraude eleitoral. Essa relação de causa e consequência foi, quase sempre, tratada como fato pela imprensa estrangeira. Mas não se sustenta nos números. É o que diz um estudo do MIT, um dos mais prestigiados institutos de ciência e tecnologia do mundo.

É fato, porém, que a acusação da Organização dos Estados Americanos deu fôlego aos protestos contra Morales e mais tarde, à sua queda. O pivô dessa suspeita foi um ‘apagão’ na divulgação das parciais da eleição. Segundo a OEA, a interrupção teria dado a Morales uma suspeitosa vantagem para liquidar a fatura da disputa já em primeiro turno.

De acordo com os cientistas John Curiel e Jack R. Williams, especialistas em auditoria eleitoral, as evidências estatísticas não corroboram a tal fraude. A dupla não crava se houve ou não interferência do governo. Mas mostra que a vitória de Evo já era esperada. E que o pânico que a OEA ajudou a alastrar não tem lastro nos dados oficiais.

O eixo x mostra a vantagem de Morales antes do ‘apagão’ em 1.477 distritos antes e depois do ponto de corte. O eixo y, a margem final relatado na contagem oficial. A alta correlação entre a contagem preliminar e os resultados finais sugere que não há irregularidades significativas (Reprodução/Jack Williams)

Em artigo publicado no Washington Post, a dupla elabora: se a conclusão da OEA fosse correta, seria de se esperar que vantagem de Morales aumentasse após a interrupção. Essa margem seria grande demais para ser explicada por seu desempenho antes do ‘apagão’. E outras anomalias, como mudanças repentinas nos votos de Morales em distritos onde ele era menos popular. Nada disso aconteceu.

Na Bolívia, os votos são registrados em grandes fichas de papel, as actas, e divididos por distritos. A contagem preliminar foi interrompida às 20h10 e retomada no dia seguinte. Àquela altura, 84% das actas haviam sido contadas, dando a Morales 7,9 pontos percentuais de vantagem. Pouco menos de 24 horas depois, a justiça eleitoral boliviana relatou à OEA ter computado 95% dos votos.

Essa parcial dava a Morales a vantagem necessária para vencer ainda em primeiro turno – no sistema boliviano, ganha o candidato que tiver mais de 40% dos votos e dez pontos percentuais à frente o adversário.

Curiel e Williams tentaram descobrir até que ponto aqueles primeiros 84% ​​antes do ‘apagão’ anteviam os resultados finais da votação. E concluíram ser “muito provável” que Morales tivesse os votos necessários. Segundo eles, o ex-presidente boliviano poderia esperar uma vantagem de pelo menos 10,5 pontos percentuais sobre Carlos Mesa.

A OEA desconfiou. Ainda naquele dia, relatou “profunda preocupação e surpresa com a mudança drástica e difícil de explicar na tendência dos resultados preliminares”. A suspeita virou alerta. Semanas depois, a organização alegou que a interrupção resultou em uma alta “altamente improvável” na vantagem percentual de Morales. Em dezembro, veio o relatório final. Adotando uma nova abordagem para a análise de fraudes, a OEA alegou que altos desvios nos dados relatados antes e depois do corte indicariam possíveis evidências de fraude.

Diante da posição da OEA, Morales concordou em realizar novas eleições. Não foi preciso. No dia 11 de novembro ele, deixou ao cargo sob a pressão das Forças Armadas. Acusado de sedição e terrorismo, exilou-se no México e, mais recentemente, na Argentina. O governo dito provisório se esparrama, persegue opositores e concorrerá às eleições, marcadas para maio. Ao menos 35 pessoas morreram durante os protestos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo