Mundo

EUA pedem ao Catar que Al Jazeera ‘suavize’ cobertura sobre Israel x Hamas

O pedido ocorreu em viagem de Anthony Blinken a Doha, segundo informação publicada pelo site norte-americano Axios

O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, e o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, em 16 de outubro. Foto: Jacquelyn Martin/Pool/AFP
Apoie Siga-nos no

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Anthony Blinken, disse a líderes da comunidade judaica americana na segunda-feira 23 ter pedido ao governo do Catar, há menos de duas semanas, que suavizasse a retórica da Al Jazeera sobre o conflito entre Israel e o Hamas. A informação foi publicada nesta quarta-feira 25 pelo site norte-americano Axios.

O grupo Al Jazeera é financiado pelo governo do Catar, mas reivindica independência na operação. Os opositores alegam que a cobertura refletiria a posição política do comando catari, sob críticas de parte da comunidade internacional por sua postura em relação ao Hamas. Israel, por exemplo, acusou a emissora de ser “um porta-voz de propaganda” do grupo palestino.

Segundo o Axios, Blinken parecia se referir à versão em árabe da Al Jazeera, não ao canal em inglês. O secretário teria afirmado aos líderes judicaicos que, em 13 de outubro, quando estava em Doha, solicitou ao governo do Catar uma mudança de postura sobre o Hamas. O relato foi confirmado ao veículo por três pessoas que estiveram na reunião da última segunda.

Blinken disse ter pedido que “diminuíssem o volume da cobertura da Al Jazeera, porque ela está cheia de incitação anti-Israel”, narrou uma fonte. O secretário, contudo, não forneceu qualquer exemplo de discurso que supostamente precisaria de um controle.

Na viagem a Doha, ao lado do primeiro-ministro do Catar, Mohammed bin Abdulrahman bin Jassim al-Thani, Blinken disse que “não pode haver mais negócios tradicionais com o Hamas”.

Um grupo de potências regionais do Oriente Médio pode influenciar o Hamas a libertar os reféns mantidos em Gaza desde 7 de outubro, mas o Catar é um ator indispensável na negociação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo