Mundo

EUA levam crise na Ucrânia ao Conselho de Segurança da ONU

‘100.000 soldados russos estão posicionados na fronteira ucraniana e a Rússia está realizando novos atos desestabilizadores’, alega o governo Biden

Joe Biden e Vladimir Putin. Fotos: AFP
Joe Biden e Vladimir Putin. Fotos: AFP
Apoie Siga-nos no

Os Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira 27 que convocaram uma reunião pública do Conselho de Segurança da ONU para a próxima segunda 31 a fim de discutir a crise sobre a Ucrânia.

“Mais de 100.000 soldados russos estão posicionados na fronteira ucraniana e a Rússia está realizando novos atos desestabilizadores direcionados à Ucrânia”, declarou em comunicado a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Linda Thomas-Greenfiel.

Segundo ela, os “atos” representam “uma clara ameaça à paz e segurança internacionais e à Carta da ONU”.

Matéria em atualização

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.