Empresas de Trump são alvo de investigação por fraudes fiscais

O anúncio foi feito pela procuradoria-geral do estado de Nova York na terça-feira 18

Foto: BRENDAN SMIALOWSKI/AFP VIA GETTY IMAGES

Foto: BRENDAN SMIALOWSKI/AFP VIA GETTY IMAGES

Mundo

A Trump Organization, conglomerado de empresas da família do ex-presidente americano, Donald Trump, é alvo de uma investigação criminal. O anúncio foi feito pela procuradoria-geral do estado de Nova York na terça-feira 18.

“Informamos à Trump Organization que nossa investigação sobre a organização não é mais puramente civil por natureza”, disse Fabien Levy, porta-voz da procuradora-geral do estado de Nova York, Letitia James. “Agora estamos investigando ativamente a Trump Organization com bases criminais, juntamente com o promotor público de Manhattan”, reiterou.

A organização é uma holding de centenas de empresas do ex-presidente americano, de hotéis e imobiliárias a campos de golfe. Trump, que deixou a Casa Branca em janeiro, nega qualquer irregularidade e já havia chamado a investigação de suas finanças pelo promotor público Cyrus Vance como “uma continuação da maior caça às bruxas política da história de nosso país”.

O democrata Vance deu início à investigação em 2018, concentrando-se inicialmente nos pagamentos feitos antes das eleições presidenciais de 2016, a duas supostas amantes de Trump, em troca de silêncio. Depois, os trabalhos foram estendidos a alegações de evasões fiscais e fraudes bancárias.

A investigação é conduzida de maneira sigilosa. Em fevereiro, a equipe de Vance recebeu as declarações de impostos do ex-presidente equivalentes aos oito anos anteriores, bem como as da Trump Organization. Enquanto isso, o escritório de Letitia James também está investigando as alegações de fraude bancárias e fraude em seguros por meio de processos civis.

Ao perceber a evolução das investigações, a Trump Organization fortaleceu sua equipe jurídica com a contratação, no início de abril, de um veterano advogado criminal, Ronald Fischetti, 84 anos.

Forte popularidade

Seis meses depois de perder as eleições presidenciais nos Estados Unidos, Trump mantém uma forte popularidade junto aos eleitores conservadores. Vivendo em uma luxuosa residência em Mar-a-Lago, na Flórida, o magnata teve suas contas excluídas do Twitter e do Facebook por ter incitado a invasão do Capitólio por seus partidários em 6 de janeiro, contestando o resultado das eleições presidenciais de novembro.

Apesar de suas repetidas afirmações infundadas de que o presidente Joe Biden fraudou a votação, 67% dos eleitores republicanos continuam acreditando que a eleição do atual chefe de Estado americano é ilegítima, de acordo com uma pesquisa recente da CBS News.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem