Em conferência de jovens pelo clima, Greta Thunberg critica “blá blá blá” de líderes mundiais

'É tempo que nossos dirigentes parem de falar e comecem a agir', defendeu a jovem ativista sueca

Greta Thunberg 

Foto: MIGUEL MEDINA / AFP

Greta Thunberg Foto: MIGUEL MEDINA / AFP

Mundo

“Chega de promessas bonitas, palavras vazias.” Os embaixadores da juventude pediram nesta terça-feira 28 aos líderes do mundo que “despertem” e levem a sério a crise climática, a um mês da 26ª Conferência sobre o Clima da ONU.

“É tudo que escutamos da parte de nossos ditos dirigentes: palavras. Palavras que soam bem, mas que não levam a nenhuma ação. Nossas esperanças e nossos sonhos afogados em suas palavras e suas promessas vazias”, disse a militante sueca Greta Thunberg entre aplausos de jovens do mundo inteiro, reunidos em Milão para a conferência Youth4Climate: driving ambition.

“Não existe plano B, e não há planeta blá blá blá, economia verde blá blá blá, neutralidade carbono em 2050 blá blá blá”, acrescentou denunciando “trinta anos de blá blá blá” dos dirigentes do mundo e a “traição das gerações atuais e futuras”.

Os 400 jovens com idades entre 15 e 29 anos, vindos de 200 países e selecionados pela ONU entre quase 9.000 candidaturas, estão reunidos até quinta-feira 30 para elaborar uma visão comum da crise climática e das ações prioritárias a serem realizadas.

A declaração final da conferência será submetida a cerca de 50 ministros reunidos para preparar a COP26 de novembro, em Glasgow.

“Eu escuto vocês (…) Nós queremos escutar suas ideias criativas e ambiciosas”, disse o presidente britânico da COP26, Alok Sharma, em um vídeo. “No começo do mês, uma pesquisa com jovens mostrou que mais da metade deles têm medo de que a humanidade esteja condenada. Francamente, eu sinto vergonha por minha geração”, acrescentou.

“Mas hoje, os dirigentes mundiais têm a ocasião de se corrigir, de se comprometer de maneira ambiciosa”, acrescentou, referindo-se ao objetivo ideal do Acordo de Paris de limitar o aumento das temperaturas da terra a 1,5°C em relação à era pré-industrial.

Palavras vazias

Mas não é certo que a juventude seja convencida por estas palavras. “Eles convidam os jovens escolhidos a reuniões como esta e fingem nos escutar, mas não é verdade, eles não nos escutam, eles nunca escutaram”, respondeu Thunberg na abertura da conferência.

“Já é tempo que nossos dirigentes acordem, é tempo que nossos dirigentes parem de falar e comecem a agir, é tempo para os poluidores pagarem, é tempo de cumprirem as promessas”, disse a militante de Uganda Vanessa Nakate, citando os “sofrimentos” enfrentados pela África, Ásia e no Pacífico pelos povos menos responsáveis pelo aquecimento global. “Já é hora, já é hora, já é hora. E não esqueçam de escutar os que são mais vulneráveis”, repetiu ela.

Enquanto as catástrofes climáticas aumentam, os compromissos dos Estados não estão sempre a altura para respeitar os objetivos do Acordo de Paris de limitar o aumento das temperaturas da Terra. Segundo a última avaliação da ONU publicada em setembro, o mundo se dirige para um aquecimento “catastrófico” de 2,7°C.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem