Mundo

Dezenas de migrantes detidos na Polônia; UE prepara sanções contra Belarus

De acordo com organizações humanitárias, pelo menos 10 migrantes morreram até o momento

Foto: Oksana MANCHUK / BELTA / AFP
Foto: Oksana MANCHUK / BELTA / AFP

Dezenas de migrantes foram detidos imediatamente depois de entrar na Polônia a partir de Belarus, informou neste domingo 14 Varsóvia, que advertiu para fluxos ainda maiores, na véspera de uma reunião da União Europeia (UE) para ampliar as sanções contra Minsk.

A polícia informou no Twitter que 50 migrantes ultrapassaram no sábado a fronteira protegida por forças da UE e da Otan, perto da localidade de Starzyna.

Todos foram detidos praticamente quando entraram no território.

Milhares de migrantes procedentes do Oriente Médio acampam na fronteira entre a UE e Belarus, o que provocou um agravamento das relações entre a primeira e os Estados Unidos de um lado, e Belarus e sua aliada Rússia do outro.

Os países ocidentais acusam o regime do presidente bielorrusso Alexander Lukashenko de organizar deliberadamente a crise, estimulando os migrantes a seguir para este país e depois transportá-los até a fronteira com a Polônia.

Belarus nega a acusação e culpa o Ocidente.

“Se alguém acredita que Lukashenko e os bielorrussos recuarão, isto não vai acontecer”, afirmou o próprio presidente (na terceira pessoa), em uma entrevista publicada no sábado.

De acordo com organizações humanitárias, pelo menos 10 migrantes morreram até o momento.

Várias ONGs citam uma crise humanitária com temperaturas abaixo de 0ºC e pedem uma desescalada, além do envio de ajuda aos migrantes.

No maior acampamento, perto da cidade bielorrussa de Bruzgi, as autoridades calculam a presença de 2.000 migrantes e refugiados, incluindo mulheres grávidas e crianças.

As autoridades de Belarus fornecem ajuda, incluindo barracas e aquecedores, gesto que antecipa uma presença quase permanente na fronteira.

O ministro das Relações Exteriores de Belarus, Vladimir Makei, conversou neste domingo com o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, no primeiro contato de alto nível entre Bruxelas e Minsk desde o início da crise na fronteira.

Makei advertiu que as sanções contra Minsk são “inúteis e contraproducentes” na conversa por telefone com Borrell, que já havia anunciado a mobilização do bloco para a aprovação de novas medidas contra Belarus por seu papel na chegada de migrantes à fronteira polonesa.

No Twitter, Borrell informou que mencionou a Makei a “precária situação humanitária na fronteira com a UE”.

“É necessário proteger a vida das pessoas e permitir o acesso das agências humanitárias”, completou Borrell.

“A situação atual é inaceitável e deve acabar. As pessoas não devem ser utilizadas como armas”.

Provocação na fronteira?

A Polônia se nega a permitir que os migrantes entrem em seu território e acusa Belarus de impedir o retorno destas pessoas a sues países de origem.

O ministro do Interior, Mariusz Kaminski, informou no sábado que os migrantes ouviram um boato de que a Polônia permitiria a passagem na segunda-feira e que ônibus seriam enviados da Alemanha para o transporte.

“Estão preparando uma provocação”, afirmou Kaminski.

O governo polonês enviou mensagens de texto a todos os telefones celulares estrangeiros ao longo da fronteira para denunciar “uma absoluta mentira sem sentido. A Polônia continuará protegendo sua fronteira”.

“Aqueles que divulgam estes boatos querem estimular os migrantes a atacar a fronteira, o que pode provocar incidentes perigosos”, adverte o texto.

Os ministros das Relações Exteriores da UE se reunirão na segunda-feira para ampliar as sanções contra Belarus, após as medidas impostas pela repressão aos opositores do regime de Lukashenko, que governa o país há quase 30 anos.

Borrell afirmou que serão adotadas sanções contra “todos aqueles envolvidos no tráfico ilegal de migrantes a Belarus, incluindo companhias aéreas, agências de viagens e funcionários governamentais.

“Lukashenko se equivoca, acredita que adotando represálias nós daríamos o braço a torcer e as sanções seriam eliminadas. Acontece o contrário”, disse.

De acordo com o primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, entre as medidas previstas está o “fechamento total da fronteira para cortar as vantagens econômicas do regime”.

Em uma entrevista à agência PAP, Morawiecki também afirmou que “toda a comunidade (europeia) deve contribuir” para a construção de um muro na fronteira entre Polônia e Belarus.

A chanceler britânica, Liz Truss, pediu neste domingo ao presidente russo, Vladimir Putin, uma intervenção contra esta “vergonhosa e orquestrada crise migratória”.

Por pressão da diplomacia dos países europeus, a Turquia proibiu que iraquianos, sírios e iemenitas viajem para Belarus. E a companhia aérea síria Cham Wings cancelou os voos para Minsk.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!