Mundo

Dezenas de migrantes detidos na Polônia; UE prepara sanções contra Belarus

De acordo com organizações humanitárias, pelo menos 10 migrantes morreram até o momento

Foto: Oksana MANCHUK / BELTA / AFP
Apoie Siga-nos no

Dezenas de migrantes foram detidos imediatamente depois de entrar na Polônia a partir de Belarus, informou neste domingo 14 Varsóvia, que advertiu para fluxos ainda maiores, na véspera de uma reunião da União Europeia (UE) para ampliar as sanções contra Minsk.

A polícia informou no Twitter que 50 migrantes ultrapassaram no sábado a fronteira protegida por forças da UE e da Otan, perto da localidade de Starzyna.

Todos foram detidos praticamente quando entraram no território.

Milhares de migrantes procedentes do Oriente Médio acampam na fronteira entre a UE e Belarus, o que provocou um agravamento das relações entre a primeira e os Estados Unidos de um lado, e Belarus e sua aliada Rússia do outro.

Os países ocidentais acusam o regime do presidente bielorrusso Alexander Lukashenko de organizar deliberadamente a crise, estimulando os migrantes a seguir para este país e depois transportá-los até a fronteira com a Polônia.

Belarus nega a acusação e culpa o Ocidente.

“Se alguém acredita que Lukashenko e os bielorrussos recuarão, isto não vai acontecer”, afirmou o próprio presidente (na terceira pessoa), em uma entrevista publicada no sábado.

De acordo com organizações humanitárias, pelo menos 10 migrantes morreram até o momento.

Várias ONGs citam uma crise humanitária com temperaturas abaixo de 0ºC e pedem uma desescalada, além do envio de ajuda aos migrantes.

No maior acampamento, perto da cidade bielorrussa de Bruzgi, as autoridades calculam a presença de 2.000 migrantes e refugiados, incluindo mulheres grávidas e crianças.

As autoridades de Belarus fornecem ajuda, incluindo barracas e aquecedores, gesto que antecipa uma presença quase permanente na fronteira.

O ministro das Relações Exteriores de Belarus, Vladimir Makei, conversou neste domingo com o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, no primeiro contato de alto nível entre Bruxelas e Minsk desde o início da crise na fronteira.

Makei advertiu que as sanções contra Minsk são “inúteis e contraproducentes” na conversa por telefone com Borrell, que já havia anunciado a mobilização do bloco para a aprovação de novas medidas contra Belarus por seu papel na chegada de migrantes à fronteira polonesa.

No Twitter, Borrell informou que mencionou a Makei a “precária situação humanitária na fronteira com a UE”.

“É necessário proteger a vida das pessoas e permitir o acesso das agências humanitárias”, completou Borrell.

“A situação atual é inaceitável e deve acabar. As pessoas não devem ser utilizadas como armas”.

Provocação na fronteira?

A Polônia se nega a permitir que os migrantes entrem em seu território e acusa Belarus de impedir o retorno destas pessoas a sues países de origem.

O ministro do Interior, Mariusz Kaminski, informou no sábado que os migrantes ouviram um boato de que a Polônia permitiria a passagem na segunda-feira e que ônibus seriam enviados da Alemanha para o transporte.

“Estão preparando uma provocação”, afirmou Kaminski.

O governo polonês enviou mensagens de texto a todos os telefones celulares estrangeiros ao longo da fronteira para denunciar “uma absoluta mentira sem sentido. A Polônia continuará protegendo sua fronteira”.

“Aqueles que divulgam estes boatos querem estimular os migrantes a atacar a fronteira, o que pode provocar incidentes perigosos”, adverte o texto.

Os ministros das Relações Exteriores da UE se reunirão na segunda-feira para ampliar as sanções contra Belarus, após as medidas impostas pela repressão aos opositores do regime de Lukashenko, que governa o país há quase 30 anos.

Borrell afirmou que serão adotadas sanções contra “todos aqueles envolvidos no tráfico ilegal de migrantes a Belarus, incluindo companhias aéreas, agências de viagens e funcionários governamentais.

“Lukashenko se equivoca, acredita que adotando represálias nós daríamos o braço a torcer e as sanções seriam eliminadas. Acontece o contrário”, disse.

De acordo com o primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, entre as medidas previstas está o “fechamento total da fronteira para cortar as vantagens econômicas do regime”.

Em uma entrevista à agência PAP, Morawiecki também afirmou que “toda a comunidade (europeia) deve contribuir” para a construção de um muro na fronteira entre Polônia e Belarus.

A chanceler britânica, Liz Truss, pediu neste domingo ao presidente russo, Vladimir Putin, uma intervenção contra esta “vergonhosa e orquestrada crise migratória”.

Por pressão da diplomacia dos países europeus, a Turquia proibiu que iraquianos, sírios e iemenitas viajem para Belarus. E a companhia aérea síria Cham Wings cancelou os voos para Minsk.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo