Mundo

Descoberta da variante Ômicron deixa milhares de turistas bloqueados na África do Sul

Governo sul-africano considerou que o fato de ter descoberto a nova variante do coronavírus está ‘castigando’ o País

Nova variante causa transtornos na África do Sul após bloqueios de voos anunciados por diferentes países. Foto: Phill Magakoe/AFP
Nova variante causa transtornos na África do Sul após bloqueios de voos anunciados por diferentes países. Foto: Phill Magakoe/AFP

A África do Sul está cada vez mais isolada do mundo depois da descoberta da variante Ômicron. Com a proibição de aterrissagem de voos vindos do país por governos do mundo inteiro, milhares de turistas se veem bloqueados no território sul-africano.

 

Depois do Reino Unido, na quinta-feira 25, os anúncios de fechamento de fronteiras aos países do sul da África se multiplicam. Da União Europeia, passando pelas nações do Oriente Médio, da Ásia e da América Latina, inclusive o Brasil, pouco a pouco diminui o número de aeroportos onde voos procedentes da África do Sul ainda podem aterrissar.

Nos terminais sul-africanos, turistas estrangeiros estão em pânico e tentam a todo custo encontrar alternativas para voltar a seus países de origem. Em Joanesburgo, Lynette está desesperada para embarcar em qualquer voo em direção à Austrália, depois de passar férias com a família na África do Sul.

“Vim para ver meus pais, que eu não havia encontrado há três anos. O governo australiano reabriu as fronteiras recentemente, então aproveitei para vir visitar meus pais. Mas agora eu não posso mais voltar para a minha casa. É horrível”, afirma, em entrevista à RFI.

Em frente ao balcão de check-in da companhia Ethiopian Airlines, uma fila imensa aguarda atendimento. É passando pela capital Adis Abeba que Maria e sua mãe vão poder voltar à Noruega. Uma agência de viagens conseguiu encontrar um voo para elas no último minuto.

“Deveríamos voltar com a British Airways, mas nosso avião foi cancelado quando estávamos no meio do mato sem internet. Genial!”, ironiza a turista norueguesa.

Na mesma fila, um jogador de golfe sueco que prefere não se identificar, aguarda para ser atendido. Ele veio à África do Sul para o Aberto de Joanesburgo, que acabou sendo cancelado porque vários atletas estrangeiros resolveram voltar às pressas a seus países de origem, depois dos primeiros anúncios de fechamento de fronteiras.

David, responsável pelo material esportivo do esportista sueco, não vê a hora de poder chegar em casa. “Dá medo de estar aqui no momento em que acabaram de descobrir essa nova variante. Quero ir embora o mais rápido possível”, diz.

Diante do aumento da procura por voos de último minuto, as passagens são vendidas a preço de ouro. Dois amigos alemães contaram à RFI que pagaram € 1.900 (mais de R$ 12 mil) para chegar à Munique, passando pela Etiópia.

África do Sul se sente “castigada”

O governo sul-africano lamentou o fechamento das fronteiras aos seus cidadãos e viajantes e considerou que o fato de ter descoberto a nova variante Ômicron do coronavírus graças à competência de seus cientistas está “castigando” o país.

“Essas proibições de viagem castigam a África do Sul pela sua capacidade avançada no sequenciamento de genomas e em detectar mais rapidamente as novas variantes. A excelência científica deveria ser aplaudida e não castigada”, disse o governo em um comunicado.

“Vemos também que há novas variantes detectadas em outros países. Nenhum desses casos tem relação recente com o sul da África. E a reação com esses países é radicalmente diferente da gerada pelos casos no sul da África”, lamentou o Ministério das Relações Exteriores neste comunicado.

O governo sul-africano destacou que a Organização Mundial da Saúde (OMS) não recomenda que sejam tomadas medidas semelhantes e pediu uma “abordagem científica, baseada nos riscos”.

Na sexta-feira 26, o ministro da Saúde da África do Sul, Joe Phaahla, denunciou a decisão de vários países de fecharem suas portas para essa região do continente antes mesmo de conhecerem os perigos da nova variante. “Alguns líderes buscam bodes expiatórios para resolver um problema que é mundial”, disse.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!