Mundo

Criminosos invadem TV do Equador ao vivo após decreto de estado de exceção

Homens armados agrediram funcionários e fizeram vítimas reféns

Invasão armada a estúdio de televisão no Equador foi transmitida ao vivo. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

Homens encapuzados e armados invadiram as instalações da emissora TC Televisión, do Equador, durante a exibição de um programa jornalístico nesta terça-feira 9.

A incursão foi transmitida ao vivo. O estúdio invadido fica na sede da TV, no município de Guayaquil, a maior cidade equatoriana. Nas imagens, os homens erguem armas e artefatos explosivos contra os funcionários da empresa. Os criminosos chegam a dar socos e chutes nas vítimas e a mantê-las como reféns no chão.

É possível ver pelo menos uma dezena de homens na ação. Um apresentador da emissora pediu ajuda à polícia ao vivo. Foram ouvidos gritos e tiros na transmissão.

De acordo com o jornal El Universo, jornalistas da emissora atacada compartilharam pedidos de socorro em grupos no WhatsApp. Uma das mensagens dizia: “Querem nos matar, ajudem-nos”.

TC Televisión ainda não se pronunciou publicamente. Não há informações sobre mortos ou feridos.

O atentado ocorre um dia após o presidente do Equador, Daniel Noboa, decretar estado de exceção no país, devido à fuga do líder narcotraficante Adolfo Macías, conhecido como Fito.

A medida suspende direitos civis e estabelece toque de recolher de seis horas na madrugada.

Além da invasão à TV, ocorreram sequestros e incêndio de veículos, em reação ao decreto.

ENTENDA MAIS SOBRE: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo