Mundo

Equador declara estado de exceção em sete das 24 províncias por escalada da violência

Decreto considera que nestas áreas ‘agravaram-se os atos de violência sistemática’

Soldados do Equador na fila para o referendo sobre Segurança no País. Foto: Gerardo MENOSCAL / AFP
Apoie Siga-nos no

O Equador declarou estado de exceção em sete das 24 províncias do país, onde a violência se agravou nas últimas semanas com vários massacres, anunciou nesta quarta-feira 22 o governo, que luta contra gangues de narcotraficantes desde janeiro.

A medida, que permite o envio de soldados às ruas, foi decretada por 60 dias para as províncias costeiras de Guayas, El Oro, Santa Elena, Manabí e Los Ríos, e as províncias amazônicas de Sucumbíos e Orellana, além da localidade de Camilo Ponce Enríquez (na província andina de Azuay), segundo documento divulgado pela presidência.

O decreto considera que nestas áreas “agravaram-se os atos de violência sistemática, perpetrados por grupos de violência organizada, organizações terroristas e indivíduos beligerantes não estatais”.

No âmbito do estado de exceção, o presidente do país, Daniel Noboa, no cargo desde novembro passado, suspendeu os direitos à inviolabilidade de domicílio e de correspondência.

Em janeiro, a fuga de um líder criminoso de uma prisão desencadeou um ataque violento por parte de grupos de traficantes que levou a motins nas prisões, ataques contra a imprensa, explosões de carros-bomba, sequestro de aproximadamente 200 agentes penitencíarios e policiais, bem como resultou na morte de cerca de 20 pessoas.

O governo Noboa decretou então um estado de exceção que durou os 90 dias permitidos por lei e declarou o país em conflito armado interno que, segundo a Corte Constitucional, pode ser por tempo indeterminado.

Sob este decreto, os militares receberam ordens para neutralizar cerca de 20 gangues criminosas ligadas à máfia albanesa e a cartéis do México e da Colômbia.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo