Mundo

Coreia do Norte dispara míssil intercontinental em teste mais potente desde 2017

Em Seul, o Exército sul-coreano anunciou que disparou uma série de mísseis por terra, ar e mar como resposta

Créditos: STR / AFP / KCNA VIA KNS
Créditos: STR / AFP / KCNA VIA KNS
Apoie Siga-nos no

A Coreia do Norte disparou nesta quinta-feira 24 um míssil balístico intercontinental, afirmaram a Coreia do Sul e o Japão, que expressaram indignação com o teste mais potente de Pyongyang desde 2017.

Na manhã desta sexta-feira [horário local], a agência de notícias estatal norte-coreana KCNA confirmou que o disparo de “um novo tipo” de ICBM, chamado Hwasong-17, havia sido ordenado pelo líder norte-coreano, Kim Jong Un, e que o projétil atingiu seu alvo no Mar do Japão.

Em Seul, o Exército sul-coreano anunciou que disparou uma série de mísseis por terra, ar e mar como resposta. O Japão considerou “escandaloso e imperdoável” o lançamento do projétil, que caiu dentro da zona econômica marítima exclusiva do país.

A Coreia do Norte executou uma dezena de testes de projéteis desde o início do ano, uma série sem precedentes que desafia as sanções da ONU contra o desenvolvimento de seu programa armamentista e nuclear.

Pyongyang suspendeu oficialmente os testes de longo alcance enquanto o dirigente Kim Jong Un participava de negociações de alto nível com o então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Mas as conversações fracassaram em 2019 e estão paralisadas desde então.

“Foi uma violação da suspensão dos lançamentos de mísseis balísticos intercontinentais prometida pelo presidente Kim Jong Un à comunidade internacional”, destacou o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, em um comunicado.

“Isso representa uma grave ameaça à península da Coreia, à região e à comunidade internacional”, afirmou, antes de acrescentar que também é uma “clara violação” das resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

A Casa Branca condenou “firmemente” o teste, que “aumenta inutilmente a tensão”, e prometeu “tomar as medidas necessárias para garantir a segurança do território americano, da Coreia do Sul e do Japão”, disse sua porta-voz, Jen Psaki.

O secretário-geral da ONU, Antônio Guterres, condenou “com firmeza” o lançamento e pediu que Pyongyang desista “de tomar qualquer outra ação contraproducente”, segundo seu porta-voz. O Conselho de Segurança da ONU deve se reunir nesta sexta-feira, indicaram diplomatas à AFP.

O míssil foi lançado nesta quinta-feira antes das 16h (4h de Brasília) a partir do distrito de Sunan, provavelmente o mesmo local em que aconteceu na semana passada um teste fracassado, e estabeleceu uma parábola de 6.200 quilômetros, indicou o Estado-Maior Conjunto de Seul.

De acordo com o vice-ministro da Defesa do Japão, Makoto Oniki, o míssil voou durante 71 minutos e caiu a 150 km ao oeste de sua costa norte, dentro da zona econômica exclusiva nipônica.

A Coreia do Norte está ameaçando “a paz e a segurança do Japão, da região e da comunidade internacional (…) Isto não pode ser aceito”, afirmou o primeiro-ministro nipônico, Fumio Kishida.

“Isto é um ato escandaloso e imperdoável”, acrescentou o chefe de governo, que está em Bruxelas para um encontro de líderes do G-7.

‘Momento perfeito’

Apesar das sanções internacionais mais severas, Pyongyang se aferra ao programa de Kim Jong Un para modernizar suas Forças Armadas.

Estados Unidos e Coreia do Sul alertaram neste mês que Pyongyang estava se preparando para disparar um ICBM e que testou componentes do Hwasong-17 camuflados como satélites espaciais.

A Coreia do Norte já havia disparado três mísseis do tipo, o último deles em novembro de 2017, o Hwasong-15, que foi considerado suficientemente potente para atingir o território continental dos Estados Unidos.

“Kim Jong Un quer se estabelecer como o líder que desenvolveu com sucesso armas nucleares e o ICBM”, declarou à AFP Ahn Chan-il, professor de estudos norte-coreanos.

Os lançamentos acontecem às vésperas do 110º aniversário do nascimento do fundador da Coreia do Norte e avô do atual líder do país, Kim Il Sung. O regime costuma usar as efemérides para demonstrar sua capacidade militar.

Além disso, Pyongyang aproveita a instabilidade internacional provocada pela invasão da Ucrânia, que provocou o aumento da disputa de Washington com Moscou e Pequim, assim como a transição na Coreia do Sul até a posse do presidente eleito Yoon Suk-yeol, em maio.

“Kim provavelmente sente que é o momento perfeito para desenvolver o ICBM”, disse Ahn Chan-il.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.