Mundo

Conservadores conquistam maioria no Reino Unido

Resultado da votação contraria pesquisas e dá ao partido de David Cameron a possibilidade de governar sozinho. Opositor Ed Miliband renuncia à liderança do Partido Trabalhista

David Cameron, líder do partido Conservador, pode governar sozinho o Reino Unido
Apoie Siga-nos no

O Partido Conservador conquistou uma vitória inquestionável nas eleições parlamentares no Reino Unido nesta sexta-feira 8, o que consagra a permanência de David Cameron no cargo de primeiro-ministro pelos próximos cinco anos. O resultado contrariou as pesquisas, que apontavam uma disputa acirrada entre os governistas e o Partido Trabalhista.

Ao final da apuração, os conservadores conquistaram 325 dos 650 assentos na Câmara dos Comuns, 22 a mais do que no último mandato. O Partido Trabalhista contabilizou 230 (26 a menos). Já o Partido Nacional Escocês ficou com 56, um impressionante aumento de 50 assentos em relação à última eleição.

No Parlamento britânico, um partido precisa conquistar 326 assentos para ter maioria absoluta, mas na prática bastam 323 para governar, já que os parlamentares da Irlanda do Norte não assistem às sessões.

Em seu discurso de vitória, após a divulgação dos resultados preliminares, Cameron afirmou que esta foi uma “grande noite” para seu partido. “Meu objetivo continua simples: governar sob o princípio de um governo para todos”, declarou.

Diante da derrota, Ed Miliband renunciou à liderança do Partido Trabalhista. Após a divulgação dos resultados, ele afirmou que sua legenda teve uma noite “bastante decepcionante”.

Nacionalistas escoceses

O ministro das Finanças do Reino Unido, George Osborne, declarou que o próximo governo vai enfrentar uma árdua tarefa na tentativa de unir o país, principalmente em razão do resultado na Escócia. “Manter a união do Reino Unido será um dos maiores desafios que enfrentaremos.”

O Partido Nacionalista Escocês (SPN) teve um crescimento gigantesco, saltando de seis para 56 dos 59 assentos destinados à Escócia no Parlamento. A maioria dos votos foi tomada do Partido Trabalhista, levanto os nacionalistas a terem a terceira maior bancada na Câmara dos Comuns.

Com o resultado dessas eleições se pode esperar não apenas um referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia como também o aumento da pressão para uma nova consulta sobre a independência da Escócia, mesmo que ela tenha sido rejeitada apenas poucos meses atrás.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo