Mundo

Como será a aliança global de biocombustíveis formada por Brasil, EUA e China

Aliança, que deverá ser lançada na reunião de cúpula do G20, busca estimular o consumo global por etanol, com foco em mercados emergentes

Os presidentes Lula (Brasil) e Joe Biden (EUA). Foto: ANDREW CABALLERO-REYNOLDS / AFP
Apoie Siga-nos no

Uma aliança global de biocombustíveis, formada por Brasil, Estados Unidos e Índia, deverá ser lançada no próximo sábado 9, no evento vinculado à reunião de cúpula do G20, em Nova Deli, na Índia, onde o presidente Lula (PT) desembarcou nesta sexta-feira 8. A ideia da aliança é estimular a produção e o consumo de etanol no mundo.

Do ponto de vista do mercado global de combustíveis, os três países que formam a aliança são, não por acaso, alguns dos principais produtores do ativo no planeta. 

Segundo dados da Organização Internacional do Açúcar (OIA), a produção mundial de etanol cresceu em 2022, chegando a 109,4 bilhões de litros, acima dos 104,6 bilhões de litros produzidos no ano anterior. A organização estima que a produção deverá crescer em 2023, estimulada, principalmente, pela Índia.

A aliança deverá se chamar Global Biofuels Alliance (GBA, na sigla em inglês). Na prática, a iniciativa já foi lançada – ou, ao menos, arquitetada – no último mês de julho, em uma reunião preparatória para o G20, que contou com a participação do Brasil. 

A ação estratégica da aliança envolve vender biocombustível a nações economicamente menos favorecidas, que poderão, na compra, reduzir o uso de carbono no setor de transportes. Junto aos governos, membros do setor privado de biocombustíveis participaram da elaboração da aliança.

Ainda não há detalhes sobre os países com potencial de compra de etanol que estarão envolvidos nas ações da aliança, o que deverá ser conhecido no lançamento oficial do bloco.

No mercado mundial de produção de etanol, os Estados Unidos, que tem no etanol de milho uma das suas bases energéticas, representam 55% da produção global, segundo dados da Associação de Combustíveis Renováveis (RFA, na sigla em inglês). O Brasil ocupa o segundo lugar, com cerca de 27% da produção. 

Apesar de produzir 3% do etanol do mundo – o que a coloca na quinta posição do ranking global -, a presença da Índia na aliança tem um objetivo voltado ao futuro. Isso porque o governo de Narendra Modi, anfitrião da reunião do G20, já anunciou que pretende ampliar o percentual de etanol na mistura na gasolina, chegando a 20% até 2025.

Atualmente, o percentual gira em torno dos 10%. Sem contar o potencial econômico geral da Índia, que, segundo um relatório do banco Goldman Sachs publicado em agosto, deverá ser responsável por 20% do crescimento da economia global até 2030, chegando ao posto de terceira economia mundial até o final da década.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo