Mundo

Comitê Central expulsa Bo Xilai do Partido Comunista Chinês

O ex-homem forte de Chongqing está vinculado a um escândalo de crimes e corrupção

Bo Xilai, 63 anos, era o homem forte de Chongqing, sudoeste da China. Foto: Liu Jin/AFP
Bo Xilai, 63 anos, era o homem forte de Chongqing, sudoeste da China. Foto: Liu Jin/AFP

PEQUIM (AFP) – O Comitê Central do Partido Comunista Chinês (PCC) expulsou neste domingo 4 o ex-dirigente Bo Xilai, caído em desgraça, informou a agência oficial Xinhua (Nova China), que também anunciou o fim da reunião do organismo, poucos dias antes do início do congresso do PCC.

“O Comitê Central ratificou a decisão do Bureau Político de excluir Bo Xilai”, destacou a agência, ao fim de quatro dias de reunião do organismo.

Bo Xilai, 63 anos, ex-homem forte de Chongqing, uma metrópole de 30 milhões de habitantes do sudoeste da China, detido em um local mantido em segredo, está vinculado a um escândalo de crimes e corrupção.

Em 26 de outubro, Bo Xilai foi expulso da Assembleia Nacional Popular (ANP), controlada pelo PCC, e perdeu a imunidade parlamentar.

A decisão abriu caminho para o julgamento de Bo, que ainda não teve a data determinada.

Bo Xilai havia sido excluído do partido pelo Bureau Político em setembro.

A esposa de Bo Xilai, Gu Kailai, foi condenada à pena de morte com sursis – suspensão condicional e que neste caso equivale à prisão perpétua – em agosto, pelo assassinato do empresário britânico Neil Heywood.

Wang Lijun, chefe de polícia de Chongqing e braço direito de Bo Xilai, envolvido no caso, foi condenado a 15 anos de prisão no mês passado por ter solicitado asilo político no consulado americano de Chengdu (sudoeste).

PEQUIM (AFP) – O Comitê Central do Partido Comunista Chinês (PCC) expulsou neste domingo 4 o ex-dirigente Bo Xilai, caído em desgraça, informou a agência oficial Xinhua (Nova China), que também anunciou o fim da reunião do organismo, poucos dias antes do início do congresso do PCC.

“O Comitê Central ratificou a decisão do Bureau Político de excluir Bo Xilai”, destacou a agência, ao fim de quatro dias de reunião do organismo.

Bo Xilai, 63 anos, ex-homem forte de Chongqing, uma metrópole de 30 milhões de habitantes do sudoeste da China, detido em um local mantido em segredo, está vinculado a um escândalo de crimes e corrupção.

Em 26 de outubro, Bo Xilai foi expulso da Assembleia Nacional Popular (ANP), controlada pelo PCC, e perdeu a imunidade parlamentar.

A decisão abriu caminho para o julgamento de Bo, que ainda não teve a data determinada.

Bo Xilai havia sido excluído do partido pelo Bureau Político em setembro.

A esposa de Bo Xilai, Gu Kailai, foi condenada à pena de morte com sursis – suspensão condicional e que neste caso equivale à prisão perpétua – em agosto, pelo assassinato do empresário britânico Neil Heywood.

Wang Lijun, chefe de polícia de Chongqing e braço direito de Bo Xilai, envolvido no caso, foi condenado a 15 anos de prisão no mês passado por ter solicitado asilo político no consulado americano de Chengdu (sudoeste).

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!