Caracas tem dezenas de protestos contra Maduro

Em meio a grave crise econômica e humanitária, legitimidade do segundo mandato do presidente é contestada

Mundo

Dezenas de protestos contra o governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, ocorreram em Caracas na segunda-feira 21 e na madrugada desta terça, especialmente em áreas da capital consideradas redutos do oficialismo.

Por volta da meia-noite, o Observatório Venezuelano de Conflito Social (OVCS), uma organização não governamental, contabilizou 30 manifestações. Parte dos protestos se estendeu até as primeiras horas desta terça.

Fotos e vídeos de vias fechadas, fogueiras e manifestantes batendo panelas e gritando palavras de ordem contra o governo foram postados nas redes sociais. Alguns manifestantes arremessaram coquetéis molotov durante confrontos com a Guarda Nacional Bolivariana.

Diversas imagens mostram forças de segurança tentando dispersar os manifestantes, em alguns casos disparando gás lacrimogêneo. Em parte dos protestos, a população reclamou estar há mais de 45 dias sem água.

No centro de Caracas, a poucos minutos do palácio presidencial de Miraflores, manifestantes protestaram durante várias horas, obrigando as autoridades a reforçar a presença da Guarda Nacional.

O Programa Venezuelano de Educação e Ação em Direitos Humanos (Provea) denunciou, por meio do Twitter, o uso de tanque da Polícia Nacional Bolivariana (PNB) na paróquia El Valle para tentar acabar com um protesto.

Moradores da capital relataram à agência de notícias Efe terem ouvido disparos e detonações durante a madrugada e que casas tiveram vidros quebrados.

Usuários do Twitter também denunciaram que funcionários da PNB, da Direção-Geral de Contrainteligência Militar (serviços secretos militares) e das Forças de Ação Especial tentaram entrar em várias casas para deter pessoas que protestavam contra o governo e em apoio a um grupo de militares que se rebelou contra o regime e foi preso nesta segunda-feira.

Antichavismo

As manifestações ocorreram um dia antes de uma jornada convocada pelo antichavismo para rechaçar a legitimidade do segundo mandato presidencial de Maduro, iniciado em 10 de janeiro após a vitória nas polêmicas eleições em maio do ano passado.

Leia também: Opositor de Maduro, presidente do Parlamento é preso na Venezuela

O presidente obteve 5.823.728 votos, com uma participação de 8,6 milhões de eleitores dos mais de 20 milhões que estavam aptos a votar, o que representou a maior abstenção da história venezuelana.

As eleições foram convocadas pela Assembleia Nacional Constituinte, uma espécie de parlamento alternativo formado apenas por apoiadores do governo e não reconhecida pela maioria dos países.

A maioria da oposição venezuelana não participou do pleito, ou porque o considerava fraudulento ou porque seus principais líderes estavam presos ou impossibilitados de concorrer. A presença de observadores internacionais não foi permitida.

A legitimidade do segundo mandato de Maduro foi, portanto, questionada pela oposição e por vários governos e instituições estrangeiras que não reconhecem os resultados das eleições – entre eles Brasil, Estados Unidos, União Europeia (UE), Organização dos Estados Americanos (OEA) e Grupo de Lima.

A Venezuela passa por uma profunda crise social, política e econômica, com inflação de quase 1.700.000% ao ano, falta de produtos e remédios e a fuga de 3 milhões de habitantes.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

Compartilhar postagem