Mundo

Brasil reforça o princípio de ‘uma só China’, após eleição em Taiwan

O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, se reuniu no Itamaraty com o chanceler chinês, Wag Yi

Os chanceleres Wang Yi, da China, e Mauro Vieira, do Brasil. Foto: Itamaraty
Apoie Siga-nos no

O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, reforçou nesta sexta-feira 19 a defesa do princípio de “uma só China“, após uma reunião no Itamaraty com o chanceler chinês, Wag Yi.

Não se trata de uma nova diretriz do governo brasileiro, mas a declaração tem peso por ser concedida dias após a eleição presidencial em Taiwan.

“Reitero o apoio histórico, consistente e inequívoco do Brasil ao princípio de uma só China, conforme declaração adotada pelos dois presidentes (Lula e Xi Jinping)”, disse Vieira.

O chanceler chinês, que ainda será recebido por Lula nesta sexta, avaliou que as relações entre os dois países chegarão a um novo nível e que as nações devem “caminhar de mãos dadas”.

“Todas as instituições do Brasil têm uma posição voltada a uma só China. A parte chinesa tem apreço por isso”, acrescentou Wag Yi.

No último domingo 14, Taiwan pediu à China que “enfrente a realidade”, depois de o candidato pró-independência Lai Ching-te vencer a eleição presidencial no sábado. Pequim, por sua vez, repetiu sua advertência de que qualquer iniciativa nesse sentido será “duramente punida”.

Lai, do Partido Democrático Progressista, triunfou com a promessa de defender Taiwan das “intimidações” de Pequim. A China considera Taiwan parte de seu território e insiste em sua intenção de “reunificar” o país – pela força, se necessário.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo